Opinião

Nada a fazer?

8 ago 2017 00:00

Quem estuda gestão vai frequentemente debruçar-se sobre os fatores que uma organização não controla.

Este é, afinal, o grande desafio quando se gere uma organização: conseguir que os planos que se traçam consigam atingir os objetivos perante condições que podem mudar, e frequentemente de forma imprevisível.

Perante mudanças nos fatores incontroláveis pelas organizações, surge a necessidade de responder a essas alterações com novas ações. A compreensão das mudanças naquilo que rodeia uma organização não é exclusivo de empresas.

Organizações de todo o tipo precisam de estar constantemente alerta e prontas para responder às alterações que surgem. Falamos de organizações como clubes desportivos, associações culturais, instituições de solidariedade, universidades, entidades públicas… enfim, todas!

E, também, as comunidades – quer pensadas à escala local quer à escala nacional - precisam de analisar e debater como responder a alterações que não controlam. Nos próximos anos (décadas!) Portugal será confrontado com as consequências de dois fatores que já são visíveis mas persistem em ser ignorados – embora este desdém seja partilhado por boa parte dos países do mundo.

Por um lado, o choque tecnológico a que assistimos com o desenvolvimento da Inteligência Artificial. A crescente automatização, a capacidade de máquinas realizarem tarefas não repetitivas, intensivas em conhecimento e, mais importante, de aprenderem autonomamente, deverá ter um impacto profundo no mercado de trabalho.

 

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO