Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Nuno Reis Voltar

16:36 - 08 Julho 2019
Maniqueísmos trumpianos

Maniqueísmos trumpianos

Um das mais óbvias ocorrências de maniqueísmo trumpiano é o discurso em torno da guerra comercial com a China.

A “conceção da realidade através de dois princípios opostos” (in Dic ionário Priberam) é a definição da palavra maniqueísmo. Uma realidade a preto e branco, sem quaisquer matizes. Nós e eles. Bom e mau. Branco e preto.

Esta conceção da realidade torna tudo aparentemente mais fácil de compreender e as decisões mais fáceis de tomar. Mas a realidade é mais complexa. O mundo tem um delicado conjunto de interligações, de sobreposições e de multiplicidades.

Não é possível serrar o mundo a meio e ficar só com as coisas boas de um lado e tudo o que é mau do outro.

O maniqueísmo é, contudo, uma figura frequentemente utilizada. Sobretudo por pessoas de intelecto limitado – que assim reduzem o mundo ao que a sua capacidade abarca – e por demagogos – que exploram a dificuldade dos seres humanos em compreender e levar em conta múltiplos fatores e numerosos efeitos.

Não tendo eu a certeza absoluta em qual destas categorias incluir Donald Trump, não tenho dúvidas que o presidente dos EUA usa o maniqueísmo diariamente.

Um das mais óbvias ocorrências de maniqueísmo trumpiano é o discurso em torno da guerra comercial com a China. De um lado, os bravos e patriotas americanos, com o seu esforço inquebrantável. Do outro lado, os maus chineses que ameaçam o bem-estar dos EUA com a sua batota.

Esta sinopse, que podia ter sido adaptada de uma VHS do Rocky IV, demonstra bem o “nós contra eles”. Mas, na verdade, o que acontece é um aumento do poderio económico (além de político e militar) da China. E esse poderio económico ameaça cada vez mais os EUA e as suas empresas. Não devido a qualquer comportamento desleal face a impolutos americanos, mas sim à tenacidade e imensidão de recursos da China.

O exemplo mais ululante é o ataque feito à Huawei – que parece ter sido suspenso por uns meses. A proibição de transações comerciais com a  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador