Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Márcio Lopes Voltar

16:50 - 08 Fevereiro 2019
Leiria Centro Exportador 2019

Leiria Centro Exportador 2019

Ou seja, o continente asiático tem conquistado quota de mercado aos norte-americanos, ao passo que a Europa mantém, ainda hoje, a mesma importância que tinha em 1948

Ao contrário do que o termo «globalização» possa sugerir, o comércio internacional de bens não é global, mas sim regional.

Cerca de 70% das exportações europeias de mercadorias são feitas entre países europeus. Metade das exportações da América do Norte realiza-se entre os próprios países da América do Norte, e o mesmo acontece no continente asiático.

Ou seja, 84% das exportações mundiais de mercadorias ocorrem num contexto de reduzida diversificação regional.

 

Exportações de Mercadorias (em % dólar)

Regiões

1948

2014

América do Norte

28,1

13,5

Ásia

14,0

32,0

Europa

35,1

36,8

América Central e do Sul

11,3

3,8

África

7,3

3,0

Médio Oriente

2,0

7,0

Fonte: International Trade Statistics, 2015 (OMC)

Além da sua concentração regional, o comércio internacional tem revelado uma outra característica geoeconómica. Desde o fim da Segunda Guerra, a América do Norte (EUA) e a Ásia (China) têm invertido a sua importância relativa no comércio mundial.

Ou seja, o continente asiático tem conquistado quota de mercado aos norte-americanos, ao passo que a Europa mantém, ainda hoje, a mesma importância que tinha em 1948 (ver tabela).

Portanto, é no âmbito dessa envolvente contextual que as empresas fazem os seus negócios internacionais. Num mundo regionalizado e com o epicentro cada vez mais deslocado para o lado asiático do planeta.

Para uma pequena economia como a portuguesa, a expansão dos negócios exige a entrada em mercados externos. Mas é preciso que 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador
14 Fevereiro 2019