Opinião

(I)maturidade(s)

7 set 2018 00:00

Todos nós conhecemos crianças que nos surpreendem pelo seu nível de maturidade e também pessoas de idade mais avançada que nos assustam pelo seu nível de imaturidade.

Relacionar a maturidade com a idade é um juízo limitado, pois a maturidade é uma dimensão bem mais integrativa, e num sentido mais profundo, não está necessariamente vinculada à idade cronológica.

Todos nós conhecemos crianças que nos surpreendem pelo seu nível de maturidade e também pessoas de idade mais avançada que nos assustam pelo seu nível de imaturidade.

Ainda que paradoxalmente Nietzsche assuma que a maturidade do homem consista em ter reencontrado a seriedade que tinha no jogo de quando era criança, não restam dúvidas de que amadurecer conscientemente possibilita olhar em redor com menos ilusões, aceitando o sofrimento, entendendo com mais tranquilidade os dissabores e as agruras da realidade, alcançando as concretizações com maior confiança.

A virtude do amadurecimento encontra-se na espera. A experiência é frutuosa e uma indiscutível alavanca para a maturidade, manifestando-se quando se pressente uma preocupação e a encaramos como um desafio superável.

De resto, a adversidade é uma escada para atingir a maturidade, na convicção de que os obstáculos poderão ser suplantados pela presença da esperança, numa equação de elementos que integra a experiência e a capacidade de aguardar, em expectativa resiliente.

Ainda que sejamos todos o resultado de um processo de desenvolvimento composto por segmentos de existência enevoada e trémula, com orlas desfocadas e secções fraccionadas, maturar implica ir edificando o mundo de um modo panorâmico.

O cérebro vai-se encarregando de ir preenchendo as lacunas, compensando o movimento intermitente e contrabalançando as assimetrias. E esse processo é influenciado pelas nossas motivações e ensejos.

Contudo, à semelhança de outros organismos, os humanos evoluem a partir de matéria inanimada, tendo um dia que retornar, inevitavelmente, a um estado inerte e derradeiro, destino que encontra correspondência e reside nos nossos pensame

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO