Opinião

Ele há funcionários e funcionários

29 mar 2019 00:00

"Estes, (os enfermeiros e os médicos) não são funcionários públicos iguais aos outros, nem a sua profissão deve ser avaliada do mesmo modo e pela mesma bitola remuneratória”.

Quis o destino que, 15 anos depois de ter um enfarte do miocárdio que me reteve quase uma semana num hospital público, então de boa referência, eu tivesse que ser de novo internado por igual período, também por um problema de natureza cardíaca.

Desta vez, não recorri à balbúrdia que vai pelo SNS, mas acolhi-me num hospital (semipúblico) em Lisboa. É justo dizer que fui tratado com um cuidado e uma abnegação tais, que me apraz registar. Só vivendo situações destas é que se pode avaliar o mérito de médicos, enfermeiros, paramédicos e outras pessoas da mesma área profissional.

Regressado a casa, num olhar pelos jornais atrasados, abro ao acaso a Revista do Expresso de 16 de Março, onde Clara F. Alves na Pluma Caprichosa, escreve um artigo intitulado “Quanto custa um enfermeiro”?

Do contexto conclui-se que a pergunta podia ser também quanto custa um médico ou qualquer outro profissional qualificado do sector da saúde”. E escreve com conhecimento de causa porque viveu um internamento nos cuidados intensivos do S. José. Com a devida vénia transcrevo algumas palavras do seu oportuno e excelente artigo.

“Os enfermeiros não descansam um segundo. Há que prodigalizar tratamentos, acudir aos gritos e convulsões, aturar a má-criação de doentes e familiares, aturar a hierarquia, manter a máquina a funcionar, cooperar com os médicos, eles mesmos sujeitos a imenso stresse, e tocar nos doentes (…). Mais que uma profissão, a enfermagem é, como a medicina, uma vocação (…).  Estes, (os enfermeiros e os médicos) não são funcionários públicos iguais aos outros, nem a sua profissão deve ser avaliada do mesmo modo e pela mesma bitola remuneratória”.

Ora, era aqui que eu queria

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.