Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

João Santos Voltar

15:40 - 24 Junho 2019
Do fim da União Soviética ao fim da União Europeia.

Do fim da União Soviética ao fim da União Europeia.

Também na União Europeia temos líderes autoritários, Urban na Hungria, Salvini em Itália, Andrzej Duda na Polónia, só para citar alguns.

Em 2021 marca os 30 anos do fim da União Soviética. Uma superpotência constituída por 15 repúblicas, que ocupava um sexto do território do planeta, foi a responsável pela derrota de Adolf Hitler na Segunda Guerra Mundial, pioneira na corrida espacial com o envio do primeiro satélite da história, o Sputnik, e colocando o primeiro homem no espaço, Yuri Gagárin.

Sem esquecer que tinha o maior e mais poderoso exército do mundo com o maior arsenal nuclear que há memória.

No entanto, num curto período de tempo desmoronou-se e em dezembro de 1991 foi mesmo dissolvida.

Segundo vários especialistas os princ ipais motivos para a dissolução da União Soviética foram: o Autoritarismo dos seus líderes, uma estrutura hipercentralizada e burocrática, um sistema económico inefic az e uma liderança incapaz e fraca de líderes como Leonid Brezhnev, Yuri Andropov e Mikhail Gorbachev.

A Europa não aprende com a história e o fim do projeto europeu, que nasceu no pós Segunda Guerra Mundial, parece caminhar para um fim “idêntico” ao da União Soviética.

Também na União Europeia temos líderes autoritários, Urban na Hungria, Salvini em Itália, Andrzej Duda na Polónia, só para citar alguns.

A UE é uma organização burocrática e centralizada e os seus últimos líderes e os atuais são fracos, pouco inteligentes, incapazes de mobilizar e irrealistas.

Para já não referir as relações pouco claras que têm com grupos económicos pouco transparentes como o Goldman Sachs do qual o antigo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, é lobista.

Os sinais do fim da UE são claros.  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador