Opinião

CULTURA, UNIVER(CIDADE) E (DES)ENVOLVIMENTO – XXIX

23 mar 2017 00:00
ricardo-vieira-professor-decano-do-politecnico-de-leiria
Ricardo Vieira, professor decano do Politécnico de Leiria

Pequenas/grandes diferenças entre politécnicos e universidades

No passado dia 20 de março de 2017 o site da universidade de Coimbra noticiava assim: três novos Professores Catedráticos na Universidade de Coimbra 

Efetivamente, nesse mesmo dia José Casalta Nabais, Manuel Carlos Gameiro e Marco Vieira tomaram posse como Professores Catedráticos da Universidade de Coimbra (UC). A cerimónia realizou-se na Sala do Senado, pelas 12 horas, e a posse foi conferida pelo Reitor da UC, João Gabriel Silva. 

Depois, a notícia acrescentava: 
José Casalta Nabais é docente da Faculdade de Direito (FDUC), onde leciona Direito Administrativo III e Direito Fiscal I na licenciatura, e Direito Fiscal II no Mestrado em Ciências Jurídico-Políticas. Vem participando também no Programa de Doutoramento. Tem igualmente lecionado em diversos cursos de Pós-Graduação na FDUC e em outras universidades portuguesas.

Manuel Carlos Gameiro e Marco Vieira são docentes da Faculdade de Ciências Tecnologia (FCTUC). Manuel Carlos Gameiro leciona no Departamento de Engenharia Mecânica (DEM). Atua na área de Engenharia e Tecnologia com ênfase em Engenharia Mecânica. Faz parte da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI). Marco Vieira leciona no Departamento de Engenharia Informática ( DEI ) e é Diretor do Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra ( CISUC ).

Destes três professores, um é meu conterrâneo e amigo de infância. Como fico contente, Manuel Carlos. Parece que foi ontem que montavas aqueles aviões pequeninos de modelismo e me contavas como estudavas para os testes a ouvir o “Oceano Pacífico”... E, afinal, já lá vão mais de 40 anos. 

Mas três Professores Catedráticos que tomaram posse na Universidade de Coimbra, nesta semana, é rigorosamente o número de Professores Catedráticos (Professores Coordenadores Principais na carreira do Politécnico, embora com provas absolutamente iguais) que o IPLeiria tem no seu seio: dois na ESECS e um na ESTG. Apenas.

E como construir uma universidade apenas com três Professores Catedráticos? Além destes, o IPLeiria apenas tem mais dois professores já com o título de Agregado e, portanto, com condições de acederem ao mesmo patamar, a curto prazo, caso a instituição assuma a importância da abertura desses concursos internacionais. Esperemos para ver.

Por outro lado, nenhuma publicidade, e nenhum ato de posse foi feito no IPLeiria a casos similares. E por que razão? Por que razão noticia o IPL a aquisição de meros títulos de especialista e não o acesso ao topo da carreira? Aqui não haveria impedimento da tutela e a “comunidade” iria sabendo, um pouco mais, bem como a comunicação social, de quanto está o IPL longe, ainda, da sua adultez e maturidade. 

Não houve publicitação, nem tomada de posse ritual, cremos, simplesmente porque se trata de uma instituição jovem, sem tradição própria e experiência nestas matérias e que é governada por docentes que estão longe de saber no que isto consiste porque estão longe, ainda, de atingir, eles próprios, o topo da carreira docente para poderem compreender o valor de tal trajetória. 

Não é, pois, por acaso, que os reitores das Universidades são Professores Catedráticos.

*Professor Decano do Instituto Politécnico de Leiria
Professor Coordenador Principal da ESECS-IPLeiria
Investigador do CICS.NOVA.IPLeiria

(O autor do texto escreve segundo as regras do "Acordo" Ortográfico de 1990)