Opinião

Continuando com Trump…

14 dez 2017 00:00

Jerusalém é considerada por judeus, cristão e muçulmanos como a “cidade santa”.

Cumprindo uma das suas promessas da campanha eleitoral, Donald Trump decidiu reconhecer Jerusalém como capital de Israel e, consequentemente transferir a Embaixada dos Estados Unidos para essa cidade.

E fê-lo bem consciente das consequências que inevitavelmente tal decisão traria para o processo de paz no Médio Oriente. Jerusalém é considerada por judeus, cristão e muçulmanos como a “cidade santa”. Aí coexistem, na parte oriental da cidade, os “lugares sagrados” das três grandes religiões monoteístas. E foi esta a razão – a coexistência de uma diversidade de religiões e culturas – que levou a ONU, já em 1947, a iniciar um processo que visava a internacionalização da cidade, o que nunca veio a acontecer.

Recorde-se que em 1949 Jerusalém foi dividida em duas partes, tendo ficado a parte Ocidental sob o domínio de Israel e a parte Oriental sob domínio da Jordânia. Só que em 1967 Israel ocupou a parte Oriental da cidade. Tal anexação veio a ser considerada pela ONU como uma violação do direito internacional e um dos obstáculos à paz naquela região.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO