Opinião

Colapso internacional

20 abr 2018 00:00
vitor-hugo-ferreira-director-executivo-d-dinis-business-school
Vítor Hugo Ferreira, director executivo D. Dinis Business School

Na verdade, as tarifas causam distorções de mercado, com consequências negativas para todos os envolvidos.

"Nunca discutas com um idiota. Ele arrasta-te até ao nível dele e depois vence-te em experiência”.

Esta famosa frase de Mark Twain pode ser aplicada à recente deriva protecionista dos EUA em matéria de comércio internacional. À partida, o leitor incauto poderá pensar que tarifas serão algo “bom”, uma arma económico-legal que cada país tem para se proteger de países “predadores” com exportações mais competitivas.

Na verdade, as tarifas causam distorções de mercado, com consequências negativas para todos os envolvidos. No caso dos EUA isso é evidente porque ao se imporem tarifas em produtos, matérias-primas e máquinas, os consumidores norte-americanos pagaram preços mais altos.

Poder-se-ia argumentar que isto levaria a efeitos de substituição de importações, mas a verdade é que outros países, com tarifas menores, ocuparão o lugar dos produtos tarifados, impedindo de igual modo o sector nacional de florescer (o que cria uma ineficiência).

A única forma de fomentar substituição de importações seria aplicar tarifas a todas os países menos eficientes, mas no final o país termina com produtos mais caros do que os existentes globalmente, com um custo para o bem-estar dos seus consumidores.

 

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO