Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

João Nazário* Voltar

09:54 - 16 Agosto 2019
Causa Maior

Causa Maior

Editorial | Rigo/Isenção/Causas/Liberdade. É assim que o JORNAL DE LEIRIA se comunica. É com essas quatro palavras que exprime o que o guia, e que informa o leitor sobre o que pode esperar das suas páginas.

Entre as Causas maiores está, como não poderia deixar de ser nos tempos que correm, a questão ambiental e das alterações climáticas, o que explica uma insistência em assuntos que, até internamente, há quem entenda exagerada, por estarmos a escrever mais do mesmo.

E a verdade é que andamos há anos a escrever sobre questões como a poluição da bacia do Lis e o problema das descargas suinícolas, sobre a degradação das arribas e o avanço do mar, ainda sobre a eucaliptização da floresta, o défice de transportes públicos, a construção desordenada, o desperdício de água, etc, etc.

Andamos, portanto, há anos a repertirmo-nos, a falar das mesmas coisas, a insistir em assuntos que a muitos pouco dizem, a ouvir especialistas em matérias que nada acrescentam à economia, a dar voz a activistas ambientais que, em algumas cabeças, só complicam a vida a quem quer trabalhar.

Mas, o que fazer se os problemas perduram no tempo? Deixamo-los cair no esquecimento? Abandonamos todos os que sofrem as suas consequências? Não, isso o JORNAL DE LEIRIA nunca fará. Enquanto os problemas existirem, por mais incómodos que possamos ser, continuaremos a pôr o dedo na ferida, na esperança, obviamente, de um dia podermos noticiar a sua resolução.

Aliás, a ligação do JORNAL DE LEIRIA às questões ambientais tenderá a intensificar-se, acompanhando o escalar de um problema que, como é sabido, apesar de negado por cretinos como Donald Trump, começa a chegar a um ponto de não retorno.

Não é por acaso, portanto, que publicamos nesta edição uma entrevista com Catarina Gomes, activista na área do ambiente, depois de num curto espaço de tempo termos ouvido Jorge Carvalho, Gil Penha-Lopes e João Camargo, todos eles investigadores e activistas nessa área.

Tal como os entrevistados que a antecederam, Catarina Gomes não deixa margem para dúvidas sobre a gravidade da situação que vivemos: um verdadeiro estado de emergência; não escondendo a sua incredulidade quanto à postura das pessoas relativamente a algo que nos está a entrar pela vida a dentro.

Já não se trata sequer do que poderá acontecer um dia mais tarde, longínquo, mas sim do que já está aí, no presente, a cumprir as piores previsões de há alguns anos, a mostrar que com a natureza não se brinca, a dar indicações sobre quão negro será o futuro próximo se não mudarmos radicalmente a nossa forma de viver. Radicalmente…, não menos do que isso!

Algo que só se conseguirá com uma profunda mudança na forma de pensar, nos hábitos, nas prioridades. Algo que obrigará a uma verdadeira revolução de mentalidades. Uma Causa para a qual o JORNAL DE LEIRIA dará tudo o que lhe for possível. 

*director do JORNAL DE LEIRIA





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador