Opinião

Abriu a época eleitoral

18 mai 2017 00:00
joao-nazario-director-do-jornal-de-leiria
João Nazário, director do Jornal de Leiria

Ésabido. Sempre que se aproximam eleições, as hostes políticas ficam mais tensas e sensíveis às críticas ou a notícias menos positivas.

Não é um fenómeno de agora e dificilmente alguma vez será muito diferente, sabendo-se que nesses períodos qualquer pormenor poderá contribuir para se conseguir mais alguns votos ou para deixá-los fugir.

Obviamente que, nesses contextos, com o seu potencial de influenciar a opinião pública, os meios de comunicação social ganham uma nova dimensão, reforçando a expressão de “4º poder”.

Conscientes disso, os candidatos, de forma menos ou mais profissional, isoladamente ou com uma estrutura especialista de apoio, tentam controlar ao máximo o que sai na comunicação social, seja pelo tipo de informação enviada, seja pelas aparições e declarações públicas, seja ainda pelas pressões, directas ou indirectas, exercidas, para não evocar situações (ainda) menos éticas como o aliciamento de jornalistas ou as tentativas de tomada do controle de empresas proprietárias de determinado jornal ou televisão.

Os jornais e revistas são passados a pente fino, as aparições na TV são medidas ao segundo, as comparações com o destaque dado às outras candidaturas são permanentes, tudo o que se escreve ou não se escreve é passível de ser interpretado das mais diferentes formas, normalmente associadas a intenções de prejudicar a candidatura em causa.

Ou seja, nada do que esteja agora a acontecer ou possa ainda vir, é uma novidade. Qualquer jornalista ou responsável editorial conhece o assunto e deve estar preparado para ele.

Com o Jornal de Leiria não é diferente e pode-se dizer que a época eleitoral já foi inaugurada, pois as pressões e as reacções ao que é publicado já começaram a surgir, umas mais explicitas, como a de Fernando Costa, publicada no Correio dos Leitores, na página 20, ou a de Raul Castro há duas edições atrás, outras de forma mais discreta, por intermédia pessoa ou por sinais visíveis nas alterações de comportamento e de comunicação.

Nada que atrapalhe quem trabalha nesta casa, que tem o privilégio de ter uma equipa de jornalistas experiente, séria e com qualidade mais que suficiente para abordar com a máxima confiança os meses mais tensos que se avizinham.

Basta, aliás, seguir o rumo definido há muito para o Jornal de Leiria, onde o rigor, a independência e a liberdade não são, de todo, retórica, mas sim princípios inegociáveis.

Ou seja, apesar da consciência de que se entrou num período especial que exige uma atenção e profissionalismo redobrados, o Jornal de Leiria continuará a escrever o que entender que deve escrever, continuará a abordar os assuntos que lhe parecerem importantes e pertinentes, continuará a defender a causa pública e os interesses desta região.

Continuará a fazer o seu trabalho sem medo e sem qualquer compromisso que não seja com o leitor, mas sempre com o maior respeito pelas pessoas e pelas instituições, pois neste jornal não se escreve contra ninguém, mas sim sobre decisões e acções.

*Director do JORNAL DE LEIRIA