Sociedade

Santuário de Fátima com menos peregrinos

7 fev 2020 11:02

No último ano, o Santuário recebeu 6,3 milhões de peregrinos, o que representa menos 700 mil face a 2018.

santuario-de-fatima-com-menos-peregrinos
Maria Anabela Silva

O Santuário de Fátima recebeu, no ano passado, cerca de 6,3 milhões de peregrinos, menos 700 mil do que no ano anterior. Os dados foram relevados esta quinta-feiram durante um encontro com hoteleiros locais, promovido pela instituição.


De acordo com as estatísticas apresentadas, no ano passado, houve mais de dez mil celebrações no Santuário, sendo que as missas oficiais contaram com a participação de cerca de 3,3 milhões de fiéis, enquanto as outras celebrações, como procissões e recitação do terço, tiveram a presença de perto de 2,2 milhões de peregrinos. As missas e celebrações particulares registaram quase 800 mil pessoas. 


Durante o último ano, o Santuário recebeu 4.384 grupos de peregrinos organizados, 2.854 estrangeiros (mais 69 face a 2018) e 1.530 portugueses (menos 72 em relação ao último ano). A Europa continua a ser o continente com maior número de grupos, com destaque para os espanhóis (565 grupos), Itália (340) e Polónia (254). Segue-se a América, com 692 grupos, e a Ásia, com 467. 


Segundo os dados apresentados, no último ano, houve, pelo menos, 620 mil peregrinos que se deslocaram a pé à Cova da Iria. Estes foram, como notou Carmo Rodeia, directora do Serviço de Comunicação do Santuário, apenas aqueles que se registaram nos junto dos serviços do Santuário. 


No último ano, houve ainda 832 mil pessoas a visitar as casas dos Pastorinhos em Aljustrel, ou seja,  mais 92 mil do que em relação a 2018, com Carmo Rodeia a destacar o aumento de visitas à casa onde nasceu e viveu a irmã Lúcia, o que revela “o interesse crescente por esta mulher”, cujo processo de beatificação decorre em Roma. 


Durante o encontro com os hoteleiros, o reitor do Santuário, Carlos Cabecinhas, destacou a a importância do ano de 2020, com a comemoração de três centenários importantes para Fátima. Um deles é o da morte de Jacinta Marto, canonizada em 2017 pelo Papa Francisco. Também este ano se assinala o centenário da imagem de Nossa Senhora de Fátima venerada na Capelinha das Aparições, “símbolo de Fátima, mas também um dos mais conhecidos ícones de Nossa senhora no mundo católico”. 


Este ano assinala-se ainda os 100 anos do início do ministério episcopal de D. José Alves Correia da Silva, considerado o “grande bispo de Fátima”. Carlos Cabecinhos reconhece que, para os peregrinos, este “não será o centenário mais importante”, mas “há o dever de gratidão” de o assinalar, pelo papel que o prelado teve “no reconhecimento dos acontecimentos de 1917 e no desenvolvimento do Santuário”. 

EVENTOS