Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Removido mais de 50% do chorão que cobria ilha da Berlenga

Sociedade

05 Agosto 2017

Removido mais de 50% do chorão que cobria ilha da Berlenga

Eliminação de espécies exóticas.

Mais de 50% do chorão que cobria a ilha da Berlenga já foi removido no âmbito do projecto Life Berlengas. De acordo com um comunicado da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), entidade que lidera a equipa multifacetada que desenvolve o projecto, até ao momento registou-se a retirada de uma área de chorão equivalente a “quase dois campos de futebol”.

Uma acção que tem permitido uma “recuperação de várias espécies nativas, como a erva-vaqueira-ibérica ou escrofulária”. A retirada do chorão, espécie introduzida pelo homem e que cobria as encostas da ilha, é uma das acções desenvolvidas no âmbito do Life Berlengas, que leva já três anos de trabalho.

Num balanço do projecto feito a propósito do Dia Nacional da Conservação da Natureza, que se assinalou no passado dia 28, a SPEA manifesta-se convicta que as Berlengas estão hoje “a caminho da sustentabilidade”, com a “melhoria das condições de habitat para as espécies mais vulneráveis”.

Além da remoção do chorão, aquela sociedade destaca o trabalho de eliminação do rato-preto, outra invasora com “impacto nas espécies nativas e no desequilíbrio do ecossistema”.

Outra das acções do Life Berlengas envolve a cooperação com pescadores locais, que levou à colocação de painéis de contraste nas redes de emalhar em quatro barcos, com o objectivo de reduzir a captura acidental de aves marinhas, que “é comum nesta área”.

 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto

Jornal de Leiria
RedacçãoJornal de Leiria redaccao@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador