Sociedade

Região reconhece qualidade aos licenciados do IPLeiria

25 mai 2018 00:00

Partilha de conhecimento aproxima escolas do Instituto Politécnico de Leiria e as diferentes áreas do tecido empresarial da região

regiao-reconhece-qualidade-aos-licenciados-do-ipleiria-8708

A ligação que as cinco escolas do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) e o tecido empresarial da região têm vindo a edificar ao longo das últimas décadas é um caso de estudo em termos de concretização de uma simbiose sólida e de partilha de conhecimento institucional.

Este vínculo indelével é especialmente visível na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) e na Escola Superior de Saúde de Leiria (ESSLei), dois pólos de formação de recursos humanos, destinados a empresas, sobretudo, nas áreas das tecnologias e para o sector da saúde, da região.

“No caso das engenharias não temos diplomados em número suficiente para fazer face às necessidades do mercado. Só isso mostra a questão da empregabilidade elevada dos nossos cursos, o que faz com que sejam muito procurados”, afirma Carlos Capela, director da ESTG.

Este responsável acrescenta que através do IPL Indústria, “que atribui bolsas aos melhores estudantes do ensino secundário”, as empresas tentam “atrair diplomados para os seus quadros”.

Jorge Santos, presidente da Nerlei – Associação Empresarial de Leiria, reforça que existe um reconhecimento dos diplomados do IP Leiria por parte do tecido empresarial, que é traduzido “na abertura das empresas para acolher estagiários, nas taxas de empregabilidade dos cursos e, por exemplo, na crescente adesão das empresas às Bolsas IPL-Indústria que começou com sete bolsas, atribuídas por sete empresas, no ano lectivo 2014/15, e que em 2017/2018 são já 37 bolsas, atribuídas por 27 empresas”.

Esta relação, salienta o empresário, é “uma mais-valia para a competitividade das empresas e consequentemente para desenvolvimento da região e do País”. Esta “excelente cooperação” leva a que a ESTG seja já primeira escolha para muitos alunos. Carlos Capela afirma que, mesmo jovens fora da região, optam por Leiria para estudar.

“Não esquecendo os outros cursos, onde isso é mais evidente é na parte do automóvel, porque o curso é único.” O professor sublinha que os resultados têm sido “bons” quer a nível regional quer nacional. “Também existe um grande dinamismo na área dos moldes e nos cursos mais tradicionais como a Mecânica, Electrotecnia e Informática. Há uma grande aceitação dos nossos diplomados e as empresas já os consideram como activos importantes no seu trabalho.”

Nesta ligação entre o ensino superior e o tecido empresarial, a comunicação é também a chave para o sucesso. “Esta relação existe desde a fundação do Politécnico de Leiria. Tinha a Nerlei sido criada há pouco tempo e o então presidente do Politécnico, António Pereira de Melo, pediu a colaboração para estabelecer os perfis de competências dos cursos da ESTG por ter consciência que eram os empresários que iriam dar emprego os seus estudantes no futuro. A partir daí esta relação tem sido sempre aprofundada com o Politécnico a intervir muito na vida empresarial do distrito e as empresas a reconhecerem cada vez mais a importância do Politécnico na sua competitividade”, salienta Jorge Santos.

O presidente da Nerlei considera que “há oportunidades em licenciaturas com impacto em sectores chave da economia da região”, acreditando que “o novo presidente, que é muito conhecedor da realidade empresarial da região, não deixará de avaliar essas oportunidades e de avançar com elas se considerar que podem trazer mais-valias para a instituição, para os alunos e para a região”.

A evolução do IPLeiria para Universidade Politécnica “será fundamental para a capacidade inovadora das empresas da região e do país”, sublinha Jorge Santos, que lembra que a “dinâmica empresarial da região de Leiria e Oeste requer ensino universitário politécnico público que, para além de formar para as profissões, tenha doutoramentos com as empresas e o reconhecimento e percepção social, nacional e internacional, condizente com a capacidade da instituição e do território”.

Para o presidente do Nerlei, “uma universidade politécnica possuirá, nomeadamente através dos doutoramentos, meios muito superiores para incremento da investigação científica e transferência de conhecimento o que seria muito benéfico para o fomento e facilitação da actividade científica desenvolvida em cooperação com o tecido empresarial”.

Carlos Capela destaca que a praticidade que está na génese das licenciaturas do IPLeiria tem sido uma mais-valia e poderá estender- -se aos doutoramentos, tal como já sucede com os mestrados, através das unidades de investigação, garantindo uma “relação forte com com o tecido empresarial, onde há partilha de conhecimento com a indústria”.

ESSLei, uma referência

 

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO