Sociedade

Que homem anda com navalha no bolso? Elementar: um cavalheiro

28 fev 2019 00:00

Carlos Norte dá fogo à cutelaria de autor, e a uma tradição de várias gerações, na oficina Lombo do Ferreiro.

que-homem-anda-com-navalha-no-bolso-elementar-um-cavalheiro-9924

Carlos Norte acredita que a classe da navalha define o cavalheiro, como no tempo em que nenhum homem saía de casa sem lenço e canivete no bolso. A história do canivete português, conta ao JORNAL DE LEIRIA, é também a história de quem lhe deu uso: o escrivão, na lapela, com mecanismo para retirar o lacre das cartas; o canivete alentejano, de lâmina alta, para andar sempre afiado; a navalha bandido, que aparece num livro sobre o estripador de Lisboa como arma do crime; o canivete de marinheiro, sem bico, para não furar o bote, mas com acessório para desatar cordas. Mesmo hoje, "quem tem um canivete safa-se melhor", garante o engenheiro mecânico, filho, neto e bisneto de artesãos da cutelaria, que se dedica à produção de navalhas, facas e espadas de autor por métodos manuais e tradicionais na oficina Lombo do Ferreiro, na aldeia de Relvas, freguesia de Santa Catarina e concelho de Caldas da Rainha, onde a família está instalada há várias gerações, sempre no mesmo ofício.

Os clientes são chefs de cozinha, coleccionadores, caçadores e pessoas que estão preparadas para tudo. Até para o fim do mundo. Segundo Carlos Norte, o canivete "voltou a usar-se como ferramenta essencial, se existir uma catástrofe" e está a regressar "a moda do gentleman".

A muitos apaixonados pela magia da forja, interessam as réplicas de armas antigas: a espada dos templários, a sax viking, a gladius romana, a adaga medieval para desferir o golpe de misericórdia no campo de batalha e a icónica falcata, de raiz céltica, provavelmente utilizada por Viriato para defender a Lusitânia da invasão romana, com ponto de equilíbrio muito à frente, lâmina curta, pesada, escultura de água ou cavalo no cabo, perfeita para a luta corpo a corpo. Todas estas já ganharam forma no ateliê de Carlos Norte, com site em lojadasfacas.pt, que vai buscar o nome, Lombo do Ferreiro, ao sítio arqueológico do período romano e Idade Média, no concelho de Alcobaça, que se julga ligado à actividade metalúrgica.

[p
Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO