Sociedade

Quando o Bodo é mais importante do que o Natal

1 ago 2019 00:00

A tradição que une famílias e amigos.

quando-o-bodo-e-mais-importante-do-que-o-natal-10525
Paula Sofia Luz

O escritor Daniel Abrunheiro chamou- lhe um dia “o Natal dos pombalenses”, quando percebeu o grau de importância com que cada família e grupo de amigos se mobilizava para poder estar presente; ajustava a vida profissional para voltar à terra, e vivia aqueles dias de festa – que, este ano, pela primeira vez foram seis, contados entre 25 e 30 de Julho – num “Bodo de convívio”.

No número 27 da Rua São João de Deus não há grandes dúvidas sobre isso. Quem o diz é Raul Testa, 34 anos, adjunto da presidente da Câmara da Marinha Grande, mas com raízes em Pombal.

É ali, no quintal do avô Raul Testa Fortunato, figura local prematuramente desaparecida, que, todos os anos, se reúnem várias gerações da família, e que vão trazendo amigos.

O JORNAL DE LEIRIA encontrou- os no sábado à tarde, entre o almoço – sempre tardio – e o jantar.

Do grupo (que já chegou a ser de 50 almas) apenas Conceição Amorim continua a morar, com o marido e as filhas, em Pombal, sem contar com Isaura dos Santos, 81 anos, a única que resta da geração mais antiga. Vieram dos lugares onde fizeram novo lar: Lisboa, Leiria e até do Funchal.

É Isaura quem faz os doces “para a gente toda”. Chegaram na sexta-feira, mesmo ao final do dia, e andaram entre os largos do Cardal, da Biblioteca e do Arnado.

É neste último que está instalado o recinto dos espectáculos e onde a festa dura até de madrugada. “Agora, como já estamos mais velhos, já não fazemos aquele número de ir tomar o pequeno-almoço antes de voltar para casa”, como ainda fazem os mais novos. É tradição local ocupar o café Esquina depois dos concertos.

“Também já não vamos às padarias comprar pão, a sair do forno”, conta Paula Testa, mãe de André e Adriana, ele com 28, ela com 21, ambos assíduos na festa da terra onde os pais foram meninos. Trazem amigos, todos os anos, a quem gostam de mostrar a cidade e uma festa que consideram ímpar.

O pai, Vítor Pataco, presidente do Instituto Português da Juventude e Desporto, também ele filho da terra, tem outras memórias para juntar a este rol. Talvez a mais antiga seja a de jogar à bola na Praça Marquês de Po

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO
EVENTOS