Sociedade

Qualidade da água da bacia do Lis volta a piorar em 2015

2 jun 2016 00:00

As análises feitas pela Oikos no final de Abril revelam que os níveis de contaminação subiram em nove dos 15 locais de monitorização. Os “pontos negros” são a foz do Lis, a ponte das Mestras e a ribeira do Sirol.

qualidade-da-agua-da-bacia-do-lis-volta-a-piorar-em-2015-4249
Maria Anabela Silva

Depois das melhorias registadas nos últimos anos, a qualidade da água da bacia hidrográfica do Lis voltou a piorar. As análises mais recentes feitas pela Oikos (Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria), efectuadas no final de Abril, revelam que os níveis de contaminação se agravaram em nove dos 15 locais monitorizados. E há três “pontos negros” a preocupar os ambientalistas: o troço final do rio Lena, sobretudo, junto à ponte das Mestras, a ribeira do Sirol (ou da Caranguejeira) e a foz do Lis.

Nos últimos anos, a Oikos – que, há 26 anos, monitoriza a bacia do Lis - tem vindo a chamar a atenção para os valores registados na zona da ponte das Mestras. Apesar de o resultado das análises deste ano, recolhidas a 27 de Abril, estarem “melhores” do que em 2015, continuam a revelar níveis de contaminação “anormalmente” elevados. “Entre Casal Mil Homens [Batalha] e a ponte das Mestras há qualquer coisa que está a perturbar a qualidade da água. De um ponto para o outro passamos de um resultado de e-coli de 8.700 para 24.000. É quase três vezes mais. Nos últimos três anos, o valor é sempre bastante alto. Tem de haver um problema. São bactérias do intestino. Não caem do céu. De algum lado vêm”, enfatiza Mário Oliveira, presidente da direcção da Oikos.

O dirigente acredita que a contaminação verificada no rio Lena acaba por influenciar o resultado registado no Lis no ponto imediatamente a seguir à confluência dos dois cursos de água, onde, este ano, houve um aumento dos níveis de contaminação por e-coli. O ambientalista nota que “há um aumento grande entre a Ponte do Arrabalde, onde os resultados são bons, e o ponto após a junção com o Lena”, o que indicia que a 'culpa' pode estar “na contaminação do Lena”.

Outro ponto a preocupar a Oikos é o troço final do Lis, com valores “anormalmente altos” detectados na zona da Galeota, próximo da ETAR Norte, e na foz do rio.

 

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.