Sociedade

Porto de Mós quer ser Maravilha Doce

18 mar 2019 00:00

Autarquia candidata-se com doces típicos do concelho.

porto-de-mos-quer-ser-maravilha-doce-10011

A Câmara Municipal de Porto de Mós entrou na corrida para a eleição das 7 Maravilhas Doces de Portugal com sete doces típicos do concelho.

Os Pastéis Tradicionais de Mira de Aire, os Pastéis de Mós, os Biscoitos do Juncal, os Coscorões, os Bolos de Cabeça, os Parrameiros (na foto) e os Bolos Fritos são os doces que o Município entendeu candidatar.

Em nota de imprensa, a autarquia explica que após o término da fase de candidaturas, serão seleccionados 21 candidatos por distrito ou região autónoma.

Os doces candidatos às 7 Maravilhas Doces de Portugal são organizados a partir de 7 categorias, que traduzem a tradição doceira em Portugal, bem como a capacidade de inovação, desde que associada à utilização de produtos endógenos: doces de território, bolo de pastelaria, doce de colher e doce à fatia, biscoitos e bolos secos, doces fesrtivos, doces de fruta e mel e doces de inovação.

Aqui ficam as propostas do Município de Porto de Mós

Doce de Território - PASTÉIS TRADICIONAIS DE MIRA DE AIRE
Mira de Aire é terra de grutas que desventram a terra, criando galerias que impressionam, onde o branco do calcário e o ocre do barro se fundem em estruturas que denunciam o tempo. Com os mesmos tons se apresentam os pastéis tradicionais de Mira de Aire. De aspecto crocante, conjugam a amêndoa e a farinha, com a água e um quarteirão de gemas de ovo que oferecem o amarelo envergonhado que o açúcar cobre. Esta receita de família, passa de geração e afirma-se, atualmente, como um produto de identidade da região de Mira de Aire.

Doce de Território - PASTÉIS DE MÓS
As mós que fazem do cereal pão são as mesmas que, do pastel, fazem a marca que afirma a identidade da vila de Porto de Mós, que assume no nome a imagem desta pedra redonda, tal como a base que serve de aconchego ao recheio irresistível do pastel. Os Pastéis de Mós adoçam sentidos há cerca de cinco anos. Um projecto que nasce do desejo de criar um produto que se torne cunho e que leve Porto de Mós no paladar, chegando ao coração! Da massa e do recheio dos Pastéis de Mós tudo se sabe, menos o segredo! 

Biscoitos e Bolos Secos - BISCOITOS DO JUNCAL
Os Biscoitos do Juncal conservam a tradição do bolo seco assente no segredo da receita ancestral que conjuga produtos endógenos simples, naturais e tradicionais, sem corantes e sem conservantes. Uma selecção cuidada de vários ingredientes, entre os quais, a farinha, os ovos, o açúcar e o limão colocados um por um, com muito carinho e dedicação. Em forma de argola ou de “esses”, enobrecem a hora do chá, acompanham um café, derretem-se no chocolate quente, deixando na boca um leve sabor a limão, que tão bem os caracteriza.

Doces Festivos - COSCORÕES
Os coscorões são doces tradicionais, tipicamente associados ao Natal. No entanto, em Porto de Mós, o coscorão lembra festa de Verão, de arraial e está assumido como o doce rei das Festas de São Pedro. É certa a antiguidade deste doce. Escorrida, a massa, baptizada de coscorão, é envolvida em açúcar e canela, numa conjugação perfeita que se leva na alma e que convida a voltar.

Doces Festivos - BOLOS DE CABEÇA OU DAS FESTAS
Desde o séc. XIX que os Bolos de Cabeça, em forma de coração, são oferecidos à Senhora dos Prazeres, padroeira do lugar de Alcaria, nos tradicionais festejos da Pascoela ou Festa da Sesta. São, também, oferecidos às crianças e aos amigos no Dia de Pão por Deus, marcando, igualmente, presença em todas as festas religiosas. Cheios de significado, estes bolos representam a alegria, a amizade e a prosperidade que se deseja, de todo o coração, partilhar com quem se quer bem. Ornados de branco, enchem andores, compõem ofertas e mostram-se à cabeça, ou em ombros, no dia da procissão.

Doces Festivos - PARRAMEIROS
Conhecido em diferentes zonas do Município também como repetelos ou resulhos. Em épocas de escassos recursos, a broa de milho era o alimento que se usava para acompanhar as sardinhas assadas ou secas em cima da caruma, nos cestos da azeitona. Depois de amassada e levedada, a broa era cozida no forno de lenha e, quando havia um pouco de mel ou açúcar loiro a sobrar, as nossas avós faziam os “parrameiros”, com o que restava da massa da broa, à qual juntavam também erva-doce e azeite. Pequenas broas tendidas que iam a cozer na “boca do forno” de lenha, em cima de uma folha de couve e que se “esparremeiravam” ao calor.

Doces Festivos - BOLOS FRITOS

Antigamente, o fim da colheita da azeitona pedia a adiafa, farta, onde o bacalhau cozido com batatas e couve, regado com o azeite novo se fazia acompanhar dos bolos fritos. O doce era feito com as sobras da massa do pão da semana anterior (o crescente), levando farinha, sal, água e fermento, às quais se juntavam os ovos, o azeite e o leite. A tradição de comer o bolo frito estendeu-se, mais tarde, à celebração da festa do casamento, como forma de assinalar o matrimónio do último filho de cada casal.

EVENTOS