Sociedade

PNSAC: O guardião da natureza que nasceu há 40 anos

2 mai 2019 00:00

Quarenta anos após a criação do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC) recuperamos algumas estórias. Umas envolvem tiros e pneus furados, outras polícia à paisana e um casal de rabirruivos.

pnsac-o-guardiao-da-natureza-que-nasceu-ha-40-anos-10218
Maria Anabela Silva

A ideia partiu dos autarcas, que viam na criação de uma área protegida uma forma de salvaguardar e valorizar o rico património natural das zonas serranas dos seus concelhos. Assim, a 4 de Maio de 1979, há precisamente 40 anos, nasceu, no papel, o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC).

Pela voz de alguns dos protagonistas destas quatro décadas de história, o JORNAL DE LEIRIA recorda momentos marcantes, como a descoberta das pegadas de dinossauro da Pedreira do Galinha e de Vale de Meios e da Praia Jurássica de São Bento, consideradas de valor mundial.

Relembramos também episódios que ilustram a conflitualidade que, ao longo de anos, marcou a relação entre a direcção do parque e as populações locais e autarquias. Há histórias que envolvem tiros, pneus furados, polícia à paisana ou um casal de rabirruivos.

Ainda hoje Maria João Botelho, arquitecta paisagista e engenheira agrónoma, recorda o entusiasmo com que aceitou o convite para liderar a primeira direcção do PNSAC, que assumiu funções em 1986, marcando o início da actividade desta área protegia, criada, no papel, sete anos antes.

Ia “começar do zero”. Havia que formar equipas e concretizar o plano de ordenamento, que “traduzisse uma estratégia para o parque”. Era também necessário encontrar soluções para alguns dos principais problemas ambientais, como as pedreiras, a caça e a exploração agro-pecuária, que compatibilizassem essas actividades com a conservação da natureza. E foi aqui que surgiram os principais conflitos.

De um lado, os agentes económicos e as populações locais, habituadas a explorar os recursos que a serra lhes oferecia sem grandes constrangimentos. Do outro, o parque natural, representado pelos seus dirigentes e técnicos, que tinham como missão impor regras nessa exploraç&

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.