Sociedade

Passa aquela música que é África e Europa

15 abr 2019 00:00

Eneida Lombe Tavares a unir os pontos na marca Caruma.

passa-aquela-musica-que-e-africa-e-europa-10147

Quando se transforma em DJ e troca sons para os amigos, Eneida Lombe Tavares adopta o nome Pangeia, como o continente que, de acordo com a ciência, reunia em si todos os outros. “Tanto posso pôr uma música turca como posso ir à Colômbia, é assim uma mixórdia”.

A designer é ela própria o produto de culturas diferentes, a unir os vértices do triângulo Portugal, Angola e Cabo Verde, que inspira a colecção Caruma.

“É um projecto que saiu da tese, no final do mestrado”, explica. “O meu tema base era a pesquisa de materiais e técnicas que me aproximassem de certa maneira às minhas raízes biológicas, em diálogo com o contexto português, que é onde nasci, onde cresci”.

Descendente de famílias africanas, mas natural do Barreiro, no distrito de Setúbal, não conhece Angola e só por uma vez pisou Cabo Verde, em 2014. “Se calhar, quase todos os filhos de imigrantes sentirão o mesmo: sou daqui mas não sou daqui, sou de lá mas também não sou de lá. É um resultado híbrido, porque não sinto que pertença a lado nenhum, que me encaixe completamente em nenhum dos lados, para dizer a verdade”.

Tal como quando junta músicas de proveniências improváveis, também nos vasos e jarras da série Caruma Eneida Lombe Tavares está a ensaiar um território onde cabem todos os países, ou seja, “a trabalhar sobre paisagens imaginárias”.

Por não querer “um resgate mimético”, casa as técnicas de uma geografia com as matérias-primas de outra, por exemplo, ao recriar a cestaria angolana (espiral cosida) com agulhas de pinheiro bravo que lembram a Mata Nacional de Leiria.

A interligação fica completa com a utilização da faiança, como dois membros do mesmo corpo, tecidos à mão. Meio cerâmica do Oeste, meio artesanato de África.

E a mesclagem que coloca em primeiro plano, entre cerâmica e cestaria, entre o que está próximo e o que está distante, mão com mão, transforma-se numa relação de dependência e numa conversa intercultural através do objecto.

Com a Caruma, esteve em Setembro na exposição Homo Faber, em Veneza, integrada numa selecção de artesãos e designers por

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO