Viver

Palavra de Honra | Acredito que ter e saber só fazem sentido em conjugação com dar

8 jul 2021 10:08

Catarina, Dias, Membro do Executivo da UF Marrazes e Barosa e programadora do jazzMATAzz

palavra-de-honra-or-acredito-que-ter-e-saber-so-fazem-sentido-em-conjugacao-com-dar

- Já não há paciência... ui, para tanta coisa! Já não há paciência para o diz que disse, para as aparências, para a violência, para o destrato, para a desigualdade, para o sectarismo, para o desperdício. E já não há paciência para a falta de paciência.

 - Detesto... favas. Sempre detestei favas. Também não gostava de ervilhas, mas agora até gosto. Também não gostava de hipocrisia nem de desrespeito, e agora também não.

 - A ideia... é ver felicidade nos outros e em mim. Não fazer sombra a ninguém e não deixar que ninguém me roube a luz.

 - Questiono-me se... algum dia a humanidade será o traço de carácter da Humanidade e se algum dia terei resposta a metade dos porquês e para quês que me passam pela cabeça.

 - Adoro... bolos. Pão-de-ló, bolas de Berlim, mil folhas e palmiers. Também gosto de boas intenções. Nunca percebi muito bem porque dizem que o inferno está cheio delas… pois acredito que seja exatamente o contrário. Mais do que o resultado final, para mim, conta a intenção, o propósito das coisas. E a propósito, na realidade não acredito sequer que exista inferno.

 - Lembro-me tantas vezes... e esqueço-me outras tantas. E é absolutamente natural e saudável. Por vezes, é uma questão de sobrevivência.

 - Desejo secretamente... que o tempo demore a passar mas que revele rapidamente os factos das coisas. Não faz muito sentido, bem sei… O mundo dos desejos e das possibilidades secretas é assim mesmo (ou deverá ser): surreal.

 - Tenho saudades... de voltar a estar descontraidamente com quem amo e me quer bem. De conhecer novas gentes e lugares. Das possibilidades que o futuro esconde. E de abraços, tenho muitas saudades de abraços.

 - O medo que tive… quando fui mãe, perdi o meu pai e a minha avó e quando acreditaram em mim mais do que eu própria… só eu é que sei.

 - Sinto vergonha alheia... muito raramente. As atitudes ficam para quem as pratica.

 - O futuro... é um mundo inteiro de possibilidades mais ou menos improváveis. O desejo é que seja longo e risonho.

 - Se eu encontrar... (continua em baixo)

 - Prometo... que partilho. Não faz sentido de outra forma, pelo menos para mim. Porque acredito que ter e saber só fazem sentido em conjugação com dar. Não somos ilhas.

 - Tenho orgulho... na família que a minha mãe e o meu pai construíram, na família do meu irmão e da minha irmã, tenho orgulho na minha filha, na pessoa que sou com os mil e um defeitos que tenho. Tenho orgulho das pessoas com quem trabalho. Tenho orgulho em quem consegue começar uma vida nova e em quem, pelos mais variados motivos, não consegue.

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.