Sociedade

Nove bombeiros feridos, dois dos quais em estado grave

18 jun 2017 00:00

Ministra apela às populações para não resistirem às ordens de evacuação das autoridades.

nove-bombeiros-feridos-dois-dos-quais-em-estado-grave-6656
Jacinto Silva Duro

O incêndio de Pedrógão Grande deixou, até ao momento, nove bombeiros e um elemento do GIPS da GNR feridos, sendo que quatro desses operacionais estão em estado grave.

A informação foi actualizada há momentos pela ministra da Administração Interna, que revelou ainda que o número de mortos confirmados é agora de 62. No entanto, Constança Urbano de Sousa frisou que ainda há locais atingidos pelo fogo que ainda não foram inspecionadas para confirmar a existência ou não de mais vítimas. Os feridos civis são 62.

Segundo a ministra, foram evacuadas cinco povoações, “por precaução”, devido à inalação de fumos. Constança Urbano de Sousa apelou às populações para não resistirem às ordens de evacuação das autoridades. “As populações não podem resistir. Têm de ser colocadas em segurança. Temos de salvaguardar a vida humana em primeiro lugar.”

De acordo com o balanço feito pela ministra, neste momento estão no terreno 834 bombeiros, apoiados por 258 viaturas. Para amanha de manhã está previsto um reforço dos meios aéreos, com a entrada no terreno de operações de duas aeronaves francesas e mais duas enviadas por Espanha, que se juntam aos quatro meios aéreos já disponibilizados pelo país vizinho.

O incêndio, que começou ontem ao início da tarde, tem quatro frentes activas, sendo que as de Pedrógão Grande e de Castanheira de Pera oferecem maior preocupação. A ministra adiantou ainda que estão a ser feitos esforços para evitar que este fogo se junte àquele que lavra no concelho de Góis, o que, a acontecer, tornaria a situação “ainda mais difícil”.

Entretanto, o IC8 foi de novo cortado na zona de Fato (Figueiró dos Vinhos).

Foi também criada uma linha telefónica (144) destinada a apoiar as pessoas que tenham necessidade de alojamento, ou porque ficaram sem as suas casas ou porque não podem chegar até elas.