Desporto

Nas ondas da Praia do Norte, as equipas de segurança também são gigantes

17 abr 2017 00:00

Os pilotos das motas-de-água utilizadas na Nazaré são eles próprios atletas de elite que se destacam pelo sangue-frio.

nas-ondas-da-praia-do-norte-as-equipas-de-seguranca-tambem-sao-gigantes-6275

Hugo Vau é o único português nomeado para a maior onda do mundo em 2017, mas, neste texto, falamos dele por causa da equipa que forma com Garrett McNamara e da mota-de-água que conduz quando o havaiano está no mar, em Portugal. A técnica que permite cavalgar as vagas monstruosas da Praia do Norte, provavelmente as mais perigosas do mundo, chama-se tow in. Por cada surfista, um piloto, que o reboca até à crista da onda e resgata no fim da viagem.

Além de Hugo Vau, que vive nos Açores, mas passa boa parte do ano na Nazaré, Garrett McNamara confia a segurança a um segundo piloto, também ele surfista, o britânico Andrew Cotton. São apoiados, a partir de terra, por dois spotters instalados no Forte de S. Miguel, habitualmente Nicole Macias (a mulher de Garrett) e outro colaborador, que têm a missão de chamar para as melhores ondas que vêem formar-se no horizonte e de ajudar a localizar o surfista, quando este cai à água. Tudo via rádio.

Agora que a temporada de Inverno já lá vai, ficam as nomeações para os Big Wave Awards: 4 ondas surfadas na Praia do Norte, incluindo Hugo Vau, em 5 finalistas na categoria XXL, reservada às maiores entre as maiores, dão uma ideia dos perigos que os surfistas ali enfrentam. Cabe aos pilotos das motas-de-água resgatá-los da escuridão do oceano e devolver-lhes a esperança à superfície.

"Ponho a minha vida em risco, para os tirar de uma situação de perigo, e no fundo é essa confiança que nos dá alguma segurança e nos faz ter conforto para arriscar", afirma Hugo Vau, explicando o que está em causa quando se dá o peito aos disparos do canhão da Nazaré, o desfileiro submarino que amplia a agitação do mar. "Um erro aqui paga-se muito caro e tem três tipos de custo: o primeiro custo, que é o que menos interessa, é o material, uma prancha partida ou uma mota afundada, depois o segundo custo é uma lesão grave ou mesmo irreversível, e o terceiro é pagar com a vida". 

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

EVENTOS