Sociedade

Medusas podem ser chave para tratamentos médicos

14 jan 2019 00:00

MARE-IPLeiria estuda organismos gelatinosos nas Berlengas

medusas-podem-ser-chave-para-tratamentos-medicos-9678
Daniela Franco Sousa

Os cientistas estão preocupados com a proliferação das medusas, dado o seu impacto nocivo sobre as pescas e sobre o turismo. Mas também existem potencialidades a descobrir nestes organismos, tais como os seus compostos activos, que poderão ser solução para alguns tratamentos médicos.

Estas são algumas das ideias avançadas por Sérgio Leandro, coordenador do projecto Jellyfisheries, desenvolvido pelo Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Politécnico de Leiria (MARE-IPLeiria), uma pesquisa que está a monitorizar populações de medusas na área marinha da Reserva da Biosfera das Berlengas, também no estuário do Rio Guadiana e numa zona costeira ao largo de Cascais.

Sérgio Leandro expõe o problema: “as mudanças climáticas e a sobrepesca induzem a instabilidade dos ecossistemas marinhos, favorecendo o aparecimento de espécies com rápido crescimento e de baixo valor económico, tais como os organismos gelatinosos - jellyfish(ex. cnidários e ctenóforos). As frequentes proliferações dos organismos gelatinosos são reconhecidas como indicadores de alteração do ecossistema marinho. O aumento das explosões de medusas, concomitante com alterações antropogénicas globais, são atualmente motivo de preocupação devido ao seu impacto nocivo sobre os stocks pesqueiros e sobre o turismo”.

Quanto ao Jellyfisheries, pretende descrever “os mecanismos através dos quais as alterações antropogénicas globais interagem com as populações de organismos gelatinosos em ecossistemas costeiros portugueses”.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO