Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Leiria é a capital de distrito do País com menos médicos por habitante
Fotografia: Ricardo Graça/Arquivo

Sociedade

14 Setembro 2017

Leiria é a capital de distrito do País com menos médicos por habitante

Saúde. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, Coimbra tem nove vezes mais médicos por habitante do que Leiria, que é a capital de distrito do País com menor rácio (3,5).

O concelho de Leiria possui 3,5 médicos por mil habitantes, o pior rácio entre as 18 capitais de distrito, que está abaixo da média nacional (4,3). No pólo oposto, surge o município de Coimbra que, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre pessoal de saúde, tem nove vezes mais clínicos do que Leiria.

De acordo com os dados, Coimbra regista um rácio de 31,6 médicos por cada mil moradores - indicador que tem como referência o local de residência destes profissionais -, um valor que é quase sete vezes acima da média do País.

Rui Passadouro, presidente da Sub-Região de Leiria da Ordem dos Médicos, começa por frisar que, tal como nos restantes municípios, os dados de Leiria “referem-se a médicos residentes”, o que, nem sempre, corresponde ao número daqueles que efectivamente trabalham nas áreas onde moram.

Feita a ressalva, o dirigente reconhece que “a escassez de médicos na nossa sub-região ainda não está resolvida, quer a nível dos cuidados de saúde primários, quer a nível dos hospitais”. O representante da Ordem dos Médicos diz que, apesar da integração de novos médicos nos centros de saúde, ainda “há necessidade de recorrer a médicos aposentados, que muito têm ajudado a suprir a escassez em todas as unidades do Serviço Nacional de Saúde”.

Mesmo assim, realça, existem actualmente cerca de oito mil utentes sem médico de família só no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Pinhal Litoral, que abrange os concelhos de Batalha, Leiria, Marinha Grande, Pombal e Porto de Mós.

 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto

Maria Anabela Silva
Redacção Maria Anabela Silva anabela.silva@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador