Covid-19

Laboratório do hospital de Leiria vai fazer 3.000 testes a funcionários de lares da região

5 mai 2020 17:12

Testes começaram, esta segunda-feira, no âmbito de uma parceria entre o Centro Hospitalar de Leiria e Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL).

laboratorio-do-hospital-de-leiria-vai-fazer-3000-testes-a-funcionarios-de-lares-da-regiao
Laboratório do hospital já fez, desde o dia 19 de Março, cerca de 5.000 testes
DR

O laboratório do Serviço de Patologia Clínica do Hospital de Santo André (HSA), em Leiria, vai fazer testes a cerca de 3.000 funcionários de lares da região.

Esse trabalho, que começou esta segunda-feira, resulta de uma colaboração com a Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL) e os Agrupamentos dos Centros de Saúde (ACES) dos dez concelhos da região, aumentando a capacidade de resposta.

“As equipas dos ACES fazem a recolha, entregam no hospital, que fazem a análise. São testes 50 por dia, a que se juntam aos 96 que o Politécnico de Leiria já faz. Desta forma, passamos a testar de forma mais rápida”, adiantou o presidente da CIMRL, Gonçalo Lopes.

Os testes serão efectuados apenas aos funcionários, no âmbito de uma medida do Ministério do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social [MTSSS], em colaboração com os Ministérios da Saúde e da Ciência, mas “se algum colaborador testar positivo, todos os utentes do lar serão também testados”.

“O teste custa 50 euros. O MTSSS paga 35 euros e a CIMRL assume os 15 euros. É muito mais barato do que os orçamentos dos laboratórios privados, que cujo valor convencionado com o Ministério da Saúde é de 87,95 euros”, acrescentou Gonçalo Lopes.

O presidente da CIMRL e do Município de Leiria salientou que se a “tendência for para testar no futuro” é preciso perceber se “deve ou não existir uma clara aposta no reforço dessa capacidade”.

O laboratório do hospital de Leiria realiza testes à Covid-19 desde o dia 19 de Março. Desde então já efectuou cerca de 5.000 testes, tendo 83 utentes dado positivo, revelou o director de serviço de Patologia Clínica do CHL, Ricardo Castro.

“Fazemos uma média de 100 testes por dia, mas com a retoma não sei o que vai acontecer. Em termos potenciais, poderemos ir até aos 150, não mudando absolutamente nada. Mas com a nossa capacidade de extracção podemos subir mais”, adiantou o médico.

Ricardo Castro explicou que o laboratório foi adaptado para iniciar os testes Covid-19. A zona onde estão concentrados todos os equipamentos e se realizam as análises está confinada ao final da sala. Toda a segurança individual está assegurada nas varias etapas desde a chegada das amostras até à sala de testes. No local estão duas pessoas dedicadas em exclusividade. “Há duas ou três que reforçam a equipa.”

O responsável explicou que existem três tipos de testes rápidos: biologia molecular, imunológicos ou antigénicos. “Um teste rápido imunológico até com uma picada no dedo dá para fazer. Ainda é cedo para os fazer, porque só há uma pequena percentagem da população imunizada. O teste rápido de biologia molecular identifica o material genético do vírus. E realizam-se a duas velocidades”, disse Ricardo Castro.

Numa das situações, basta colocar a amostra a correr e o resultado é dado num máximo de 50 minutos. “Os testes de biologia molecular clássicos, chamemos-lhe assim, vou retiro o material genético da amostra, coloco os reagentes e ponho a incubar num termociclador. Neste tipo de testes coloco 60 ou 70 testes de uma só vez e preciso de umas seis horas para obter o resultado. Para fazer grandes volumes, este é mais prático”, assegurou.

Para montar o laboratório com área Covid-19, o CHL investiu cerca de 420 mil euros. “O investimento em equipamento foi relativamente modesto, cerca de 20 mil euros. A grande fatia de despesa são os reagentes e os materiais laboratoriais de manuseamento das amostras. Já gastámos cerca de 400 mil euros nestes dois meses em reagentes e temos um concurso para a compra de reagentes para o segundo semestre, que ultrapassa 1,1 milhão de euros”, revelou o presidente do Conselho de Administração do CHL, Licínio de Carvalho.

Estes responsável anunciou ainda a criação de uma unidade de colheita para os doentes externos, no piso térreo. “Em três dias criámos uma solução que nos permite fazer colheitas a doentes que estão em ambulatório, sem virem muito dentro do hospital. Alargámos o horário de colheita para que as pessoas não se concentram todas no mesmo local.”




#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.