Viver

“Julgamos que somos a cauda da Europa, quando se calhar somos a cabeça”

5 nov 2017 00:00

Lord Mantraste, o alter-ego do ilustrador Bruno Reis Santos.

julgamos-que-somos-a-cauda-da-europa-quando-se-calhar-somos-a-cabeca-7493
Daniela Franco Sousa

Lord Mantraste. De que forma surgiu este alter-ego?
Quando estava ESAD.CR fazia parte de uma revista, onde se escrevia acerca do que se achava menos bem, quase como uma revista cor-de-rosa da cidade. Um colega meu escolheu este alter-ego para mim e eu comecei a utilizá-lo mais tarde.

Diz-se que Lord Mantraste é a própria encarnação do diabo. Ao mesmo tempo, diz-se que ele quer ser a Nossa Senhora da Ilustração. O seu processo criativo é atormentado por esta dicotomia entre bem e mal?
O próprio trabalho é o reflexo disso. Estamos sempre a tentar seguir o caminho que é o mais certo, encontrando um meio termo entre aquilo que é o nosso gosto pessoal e o gosto do cliente. Há que encontrar ali um meio termo.

É fácil conciliar liberdade criativa com a necessidade de vender?
Graças a Deus não sou muito apegado ao dinheiro... Por isso é que o gasto todo... Mas a propósito deste tema lembro-me sempre de uma história da mitologia grega, do labirinto. Pediram a um artista para fazer um labirinto. Como o labirinto não cumpriu o objectivo, ordenaram que o artista fosse preso na sua própria criação. Bem, mas o que considero é que não posso estar a condicionar o meu trabalho a pensar nisso, na venda, no cliente.

É filho de um pastor e de uma cabeleireira, criado livre em Nadadouro, perto de Caldas da Rainha. Quanto desta infância é visível no seu traço?
A nossa infância define o que somos. Embora eu não desenhasse muito na minha infância. Não era coisa que me chamasse a atenção. Mas dá para perceber no meu trabalho, e porque sou das Caldas, uma certa marotice. Ser maroto, sem ser maldoso. É uma coisa que me sai de forma natural.

Arranha-Céus foi considerada a melhor capa de ilustração e design 2015, pela Sábado, e A Imaculada Sardinha Portuguesa ganhou o concurso das Sardinhas para as Festas de Lisboa, em 2011. Que importância têm os prémios no percurso de um artista?
Vencer o concurso das Sardinhas, por exemplo, serviu para dar a conhecer o meu trabalho, ao mesmo tempo que serviu para eu passar a olhar paraele de outra maneira. Incentivou-me a trabalhar, a pensar mais no meu trabalho. Sempre que faço uma ilustração é para agradar a mim próprio. E às vezes se vendo um trabalho que agrada muito ao cliente, mas que eu não gosto tanto, sinto um pouco como aquele pai que vê o filho a ir para a droga.

Quais são as suas grandes referências da ilustraçã

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.