Desporto

Hélder e Joana: heróis do silêncio e a história de um amor invencível

17 fev 2016 00:00

Poucos sabem, mas Hélder Gomes e Joana Santos são dois dos melhores atletas portugueses de taekwondo e judo, respectivamente. O que o desporto uniu, nada nem ninguém separará

helder-e-joana-herois-do-silencio-e-a-historia-de-um-amor-invencivel-3095

O Dia dos Namorados já passou, mas como somos uns românticos incorrigíveis decidimos revelar esta incrível história do amor. Hélder Gomes é de Leiria, Joana Santos é de Faro.

Ele trabalha, ela está a concluir os estudos. Ele pratica taekwondo, ela é judoca. O que têm eles em comum? Muita coisa, como o tempo veio a comprovar, mas o que fez com que os caminhos se cruzassem foi o facto de serem ambos atletas de excepção, mas também surdos.

Foi essa condição que os colocou no mesmo avião em 2008, rumo ao Campeonato do Mundo de surdos. O aeroporto de Lisboa foi, pois, o palco do início de uma “enorme paixão”.

Mas vamos por partes. Residente em Leiria e projectista de moldes na Marinha Grande, Hélder Gomes, de 33 anos, chegou às artes marciais “já tarde”. Tinha 20 anos e jogava futsal na equipa de surdos de Leiria quando Luís Gatoeiro, colega de trabalho e treinador de taekwondo, o desafiou para experimentar a modalidade.

Ficou imediatamente seduzido pela espectacularidade dos movimentos e pelas técnicas acrobáticas de ataque. Daí até à glória foi um instante. Os resultados foram consistentes, mas o primeiro grande momento foi a conquista da medalha de bronze no Campeonato do Mundo para surdos, em 2008, aquela mesma prova em que conheceu Joana. Seguiu-se uma nova medalha de bronze, nos Jogos Surdolímpicos de 2009.

Depois, outra medalha de bronze, no Campeonato do Mundo para surdos, em 2012. E para finalizar, uma medalha de… bronze, nos Jogos Surdolímpicos de 2013. É para a próxima edição destas provas que Hélder Gomes direcciona os treinos, sempre sob as indicações de Dojang João Correira, do Clube de Taekwondo de Peniche.

O grande objectivo é preparar-se para voltar a conquistar medalhas no Campeonato do Mundo de surdos, em Julho próximo, na Turquia, e no ano seguinte há novamente Jogos Surdolímpicos, também no antigo império otomano.

Desengane-se, contudo, quem pensa que Hélder é um atleta que apenas consegue resultados nas provas confinadas a surdos. No ano passado, sagrou-se campeão nacional da sua categoria de peso na competição aberta a ouvintes. Este ano perdeu o título, mas ficou em segundo lugar.

Títulos e medalhas são algo que Hélder Gomes aprecia, mas a maior vitória da sua vida foi, “sem dúvida”, ter conquistado Joana Santos. Já dissemos que se conheceram no aeroporto de Lisboa a caminho de França. Foi amor à primeira vista? Hélder diz que sim, Joana diz que não. “Nem trocámos números de telefone”, sublinha a judoca de 26 anos.

“Só três meses depois é que pediu o número a um amigo meu e enviou uma mensagem. A partir daí começámos a falar quase todos os dias, mas só voltámos a ver-nos pessoalmente passados oito meses.”

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo

EVENTOS