Sociedade

Graves deficiências no serviço de refeições na escola da Batalha

11 out 2018 00:00

A Câmara da Batalha denunciou a situação à secretária de Estado Adjunta e da Educação.

graves-deficiencias-no-servico-de-refeicoes-na-escola-da-batalha-9343

Falta de comida, atrasos sistemáticos no fornecimento das refeições por ausência de recursos e falta de qualidade dos alimentos confeccionados têm contribuído paras o “caos” no refeitório da Escola Básica e Secundária da Batalha desde o início do ano lectivo.

Ao ter conhecimento da situação, a Câmara da Batalha denunciou a situação à secretária de Estado Adjunta e da Educação, pedindo uma “intervenção urgente junto da concessionária de refeições escolares na Escola Básica e Secundária da Batalha, com fundamento no incumprimento grave do contrato realizado pelo Ministério da Educação e a empresa”.

Paulo Batista Santos, presidente do Município, revela ao JORNAL DE LEIRIA que a denúncia teve reacção imediata da tutela. A secretária de Estado Alexandra Leitão contactou o autarca.

“Foram tomadas medidas de reforço das equipas, a empresa foi notificada pela intenção de aplicação de multas contratuais, uma vez que o contrato não estava a ser cumprido, mas mais importante que isso foi reforçar o acompanhamento da DGEstE [Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares] Centro com o nosso refeitório escolar.”

O presidente promete que vai acompanhar de perto o assunto. “Demos uns dias, não mais do que uma semana, para ver se a coisa normaliza.

A Câmara está a reforçar o apoio quer de recursos quer apoios de alguns equipamentos, algo que não deveria fazer porque se trata de uma empresa privada”, mas se a situação não se resolver, o Município vais disponibilizar-se junto da tutela para assumir a responsabilidade do fornecimento das refeições. Constatando que o contrato com a empresa é recente e que esta nunca prestou um “muito bom serviço”,

Paulo Batista Santos denuncia que agora “perderam manifestamente o controlo”. “Os funcionários não têm experiência, as refeições começam a ser fornecidas muito tarde e há muitas crianças que não comem, o que é muito grave, porque os alunos ouvem o toque para irem para as aulas de tarde e vão-se embora. A qualidade da refeição e dos produtos confeccionados também deixa muito a desejar.”

Segundo uma nota do Município, a direcção do Agrupamento de Escolas e a associação de pais também já reportaram “as crescentes falhas e dificuldades do serviço de refeições, inclusive graves lacunas ao nível da limpeza e salubridade nos espaços de manuseamento dos alimentos, situação que é incompreensível quando a empresa já a utilizar um novo refeitório equipado com as melhores condições e equipamentos”.

EVENTOS