Viver

Gentes que habitam o Mosteiro da Batalha (com galeria)

22 jun 2018 00:00

Instantâneos | António Barreto foi convidado a fotografar o Mosteiro da Batalha e a realizar uma exposição com essas fotografias.

Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Fotografia: António Barreto (Gente da Batalha)
Jacinto Silva Duro

Apostado em procurar o que ninguém havia ainda retratado, olhou, voltou a olhar, percorreu corredores e salas até que, por fim, conheceu as “gentes” que habitam o monumento: os antigos, que vivem na memória, nas pedras e nas sombras, e os modernos que vivem na luz.

“Cada um tem as batalhas que escolhe. A minha Batalha é aquela onde vive tanta gente, nobre ou plebeia, nas sombras e nas colunas, nas gárgulas e nos túmulos. É aquela Batalha cujos antigos vivem na memória, nas pedras e nas sombras, enquanto os modernos vivem na luz ou caminham a nosso lado”, diz António Barreto sobre a exposição de fotografia Gente da Batalha.

A mostra da sua autoria e com curadoria de Ângela Camila Castelo-Branco tem inauguração marcada para este sábado, dia 23, às 16 horas, na Capela do Fundador, do Mosteiro de Santa Maria Vitória, na Batalha. A exposição, que acontece no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural, estará patente durante um ano, sob o patrocínio do Presidente da República.

A preto e branco, nas suas idas à vila e ao mosteiro o autor captou instantâneos de “pessoas” que vivem nas pedras vivas sobre as quais se ergue o o antigo monumento nacional. Mas também há momentos de descontracção, de admiração da obra, de recolhimento, de oração e de meditação sob o olhar das gárgulas e das estátuas das figuras grandes da História de Portugal.

“Descobri na Batalha gente de todas as condições. Famílias, antepassados e descendentes. Vivos e mortos. Santos e fantasmas. Mártires e apóstolos. Residentes e visitantes”, conta e admite: “descobri algumas razões pelas quais a gente da Batalha vive ou está ali. O amor e a igualdade. A festa e a oração. O pecado e a virtude. A delícia e o medo."

Em busca de uma história para fotografar
António Barreto admite que, durante muitos anos, teve “uma relação distante com a Batalha”. Na juventude havia visitado o mosteiro apenas duas ou três vezes e, quando chegou do exílio na Suíça, em 1974, após a queda do Estado Novo, aquela grande construção saía-lhe ao caminho, quando se deslocava entre Lisboa e Porto.

Convidado pelo director do mosteiro, Joaquim Ruivo, para ser orador numa conferência sobre identidade nacional fez, por fim, uma visita mais demorada, com a máquina fotográfica na mão. Para sua surpresa, o responsável pela gestão do monumento convidouo a criar uma exposição de fotografia sobre o local.

“Sou fotógrafo por vocação e não por profissão, mas aceitei.” Visitou várias vezes o espaço em busca de um novo ângulo para explorar. Sentia que era alguém que vinha de fora e não queria repetir o que já outros haviam feito.

“Na internet, encontram-se fotografias do exterior, do interior, ao sol, à chuva, das Capelas Imperfeitas, da nave central... de quase tudo. Mas nós queríamos as coisas que, na Batalha, têm alma própria”, recorda Ângela Camila Castelo-Branco, que acompanhou o sociólogo nessas visitas.

Rapidamente, perceberam que o olhar dos visitantes era feito refém pelo apelo majestoso do gótico, olhando para cima e esquecendo de ver os detalhes. E o Mosteiro da Batalha é feito de pormenores.

“Há gárgulas que expõem receios sexuais, o que é curioso, dada a época em que o monumento foi construído. É uma dicotomia entre o sagrado e o profano, como se os canteiros tivessem mão livre para criar certos elementos escultóricos”, diz a curadora.

De lente em riste, Barreto testemunhou as romarias de antigos combatentes e suas famílias, os casamentos e o despejar de autocarros cheios de turistas, mas nada o entusiasmava ou mostrava ser digno de figurar numa exposição sobre um monumento que celebra a afirmação da criação de Portugal, enquanto Estado autónomo e de identidade definida.

“Pessoas” que povoam a Batalha
“Finalmente, reparei que havia esculturas e carantonhas com oito a dez centímetros de altura por todo o lado. Atrás das gárgulas, das colunas e nas alturas. Com a Ângela Camila, procurei referências a elas nos estudos, nos livros e nas teses académicas”, recorda.

Nada encontraram, mas foi ali que Barreto iniciou o trabalho que haveria de levar à criação da mostra fotográfica Gente da Batalha.

Afinal, qual o interesse dessas figuras de tamanho diminuto? O autor da exposição acredita

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO