Sociedade

E se são Pedro de Moel ganhasse uma discoteca junto ao farol?

25 jun 2020 19:13

Uma turma de estudantes de Arquitectura foi desafiada a repensar São Pedro de Moel. Há um conjunto de propostas arrojadas que podem agora ser conhecidas, na exposição "Visões Urbanas I"

e-se-sao-pedro-de-moel-ganhasse-uma-discoteca-junto-ao-farol
Mostra dos trabalhos ficará patente no parque do Bambi Café durante todo o Verão
DR
Daniela Franco Sousa

E se São Pedro de Moel voltasse a ter discoteca, mas desta vez próxima do farol? E se voltasse a ter piscinas, mas desta feita enquadradas num complexo dedicado à saúde e ao bem-estar? E um espaço literário? E que tal um anfiteatro ao ar livre? Estas são algumas das propostas lançadas pelos 21 alunos do curso de mestrado integrado em Arquitectura, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, que, em parceria com a Câmara da Marinha Grande e com a Associação para a Promoção do Turismo de São Pedro, foram desafiados a repensar São Pedro de Moel no âmbito do Atelier de Projecto II sobre Território e Paisagem.

A ideia de colocar os estudantes a reflectir sobre São Pedro de Moel partiu de João Beltrão, jovem natural da Marinha Grande, também ele estudante de mestrado em Arquitectura, que acabou por partilhar o seu propósito com o professor João Paulo Cardielos e com a Autarquia. O plano foi bem acolhido e arrancou ainda no ano passado.

Sob coordenação de João Paulo Cordielos, os projectos dos 21 estudantes podem agora ser apreciados no parque do Bambi Café, também ele um espaço central e emblemático de São Pedro de Moel.

Inaugurada no passado sábado e patente durante todo o Verão, Visões Urbanas I inclui a exposição de vários painéis que apresentam o projecto de cada aluno, mas também vídeos e uma maqueta instalada no posto de turismo. Esta mostra foi a forma encontrada de dar a conhecer os trabalhos, cuja apresentação pública estava prevista para Março, na Casa-Museu Afonso Lopes Vieira, mas cujo contexto de pandemia acabou por inviabilizar. Assim sendo, os trabalhos de cada estudante estão actualmente numa fase de maior evolução do que aquela que os painéis deixam transparecer.

E que visões têm afinal os estudantes para São Pedro de Moel? Muitas, arrojadas e que se completam entre si, agregando factores ambientais, turísticos, urbanísticos e culturais, como apontavam João Beltrão e o professor João Serejo, aquando da inauguração da exposição.

Inês Rosa, por exemplo, apresenta o projecto a que chamou Lugares de Fronteira. A jovem sugere um percurso pedestre pelas dunas em direcção à Praia Velha, recuperando estruturas existentes e propondo novos espaços, como é o caso de um café e discoteca, que possa funcionar durante o dia e durante a noite, e que se situaria próximo do farol, mitigando os problemas de ruído que foram reportados por alguns moradores.

Já Ana Afonso propõe que parte do edifício que acolhia as piscinas oceânicas, e que se encontra agora desactivado, possa dar lugar a um complexo de piscinas interiores e exteriores, também com spa, e que, num conceito de turismo de saúde e bem-estar, possa ter alojamento para fins terapêuticos.

No campo da cultura, Bárbara Machado propõe um anfiteatro ao ar livre, a criar no Vale do Ribeiro, um espaço de lazer junto à água, que tenha camarins, balneários e túneis subterrâneos de acesso ao palco. E João Viveiros propõe a criação do Lugar Literário, um espaço que recupere o espírito do extinto Casino, um espaço de tertúlias, integrado num roteiro turístico onde o poeta Afonso Lopes Vieira seja o mote, uma estrutura a criar por cima do Café da Praia.

Mas as propostas são ainda mais e abrangem diversos públicos. Incluem lugares dedicados à arquitectura moderna, à ciência viva, uma pousada para a juventude, entre muitas outras sugestões. “Pensar o futuro de São Pedro e Moel é um trabalho muito interessante para nós, Câmara, em termos daquilo que é a estratégia de desenvolvimento paisagístico, urbanístico, turístico, ambiental”, considerou Cidália Ferreira, aquando da inauguração da exposição.

A presidente congra

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.