Desporto

Daniela Cardoso: “o incidente de Porto de Mós só me deixou mais forte e com vontade de fazer melhor”

5 mar 2016 00:00

No passado sábado, a atleta de Pombal voltou a fazer mínimo olímpico nos 20 km marcha e desta vez foi a valer.

daniela-cardoso-o-incidente-de-porto-de-mos-so-me-deixou-mais-forte-e-com-vontade-de-fazer-melhor-3258
Jacinto Silva Duro

No final de Janeiro, em Porto de Mós, Daniela Cardoso alcançou a marca de qualificação olímpica na prova dos 20 quilómetros marcha. A atleta de Pombal cumpriu a distância em uma hora, 34 minutos e 13 segundos, 17 segundos abaixo do registo exigido pela Federação Portuguesa de Atletismo.

No entanto, para a marca ser validada como mínimo olímpico era necessário que estivessem três juízes internacionais no terreno. Só estavam dois. A desilusão tomou conta da marchadora do Leiria Marcha Atlética Clube, mas não a deixou esmorecer. E este sábado, na Batalha, no decorrer do Campeonato Nacional de 20 km Marcha, voltou a mostrar de que fibra é feita.

Daniela Cardoso foi terceira, atrás de Inês Henriques e Susana Feitor, mas voltou a fazer uma marca que a coloca na rota para o Rio de Janeiro. E desta vez havia juízes mais do que suficienes pra validar a prova.

Concluiu a prova em uma hora, 33 minutos e 46 segundos, que passa a ser o novo recorde pessoal, retirando 27 segundos ao anterior máximo. “O incidente de Porto de Mós só me deixou mais forte e com vontade de fazer melhor”, explicou a atleta ao JORNAL DE LEIRIA.

“Sabia que conseguia repetir ou até fazer melhor, porque já o tinha uma vez e porque os treinos davam a indicação de que era possível melhorar. O resultado da prova fala por si e da análise que fiz com o meu treinador, consideramos que estive bem e que foi a marca de que estava à espera. Mas sinto que ainda há alguns pontos a melhorar”, enfatizou a atleta, décima classificada nas Universíadas do ano passado.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.