Desporto

Da 1.ª Liga albanesa com 16 anos ao labor na fábrica antes do treino

29 nov 2018 00:00

O goleador dos distritais de Leiria é internacional albanês e joga no Ansião. Salvadore Sulçe chegou a Portugal com a mala cheia de sonhos, mas desiludiu-se.

da-1a-liga-albanesa-com-16-anos-ao-labor-na-fabrica-antes-do-treino-9535

Os dias de Salvadore não diferem muito dos de milhares de jovens deste País. Acorda cedo, vai trabalhar numa fábrica de madeiras e ao fim do dia tem treino. Passa os tempos livres com a namorada, com quem reside, e a dar mimos ao pequeno dálmata que chegou há dias ao seio da família.

O domingo é sagrado: é dia de jogo. Se ganha passa os dias seguintes animado, mas se perde volta para casa com o insatisfação normal de quem é competitivo.

Os dias de Salvadore não diferem muito dos de milhares de jovens deste País, é bem verdade, mas podia muito bem ter a vida que grande parte sonhava ter. É que este rapaz de 26 anos “tinha tudo” para ter uma carreira futebolística ao mais alto nível, mas viu os sonhos fugirem à medida que os anos foram passando.

Ainda hoje detém o recorde do jogador mais jovem a estrear-se na 1.ª Liga albanesa, tinha 16 anos. Alinhava então no histórico clube do exército, o Partizani de Tirana, e todos lhe auguravam um futuro radioso.

Foi internacional pelo seu país nos escalões sub-17 e sub-19 e, numa das nações mais pobres da Europa, o pai, polícia, e a mãe, desempregada, estavam entusiasmados com as expectativas de carreira que o futebol oferecia.

E foi assim que, arrebatado, respondeu sim ao convite apresentado por um empresário albanês com fortes ligações à região Centro. Aos 18 anos mudou-se de armas e bagagens para Portugal, mas o destino não foi a Académica, nem sequer a União de Leiria ou o Beira-Mar.

À espera de Salvadore Sulçe estava... o Penelense, dos distritais de Coimbra, clube que nessa temporada acabaria por vencer a competição e subir à 3.ª Divisão.

Era ainda adolescente e já as coisas estavam a dar para o torto. “A intenção era ser profissional em Portugal, mas o meu empresário teve problemas financeiros e deixou de investir em mim. Nunca mais voltou a falar comigo. Deixou-me em Penela, só, e tive de me arranjar. Valeu-me a Direcção do clube, que me arranjou alimentação, casa e trabalho.”

Com os sonhos traídos, o médio criativo regressou à Albânia no final da temporada. Jogou no Partizani e no Dinamo, e passados dois anos quis regressar a Portugal e a Penela, na esperança de que as oportunidades de jogar a um nível mais elevado surgissem. “Voltei como forma de agradecimento por tudo o que fizeram por mim”, explica.

Ficou três anos, habituou-se à língua e à comida locais e hoje “até couves” come. Mas o tempo que pensava ser suficiente para “conseguir dar o salto”, não foi suficiente para que a proposta chegasse.

“O futebol é assim. Nunca tive oportunidade de me testar num clube dos campeonatos nacionais. Falhou o apoio de um empresário e sem esse apoio, em Portugal, é muito difícil.”

No início da temporada passada recebeu um convite, sim, mas para rumar 20 quilómetros a Sul e jogar no Caçadores de Ansião, do principal escalão do futebol distrital de Leiria. A época correu bem e des

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.