Desporto

Arthur Hanse é o segundo filho da região nuns Jogos Olímpicos de Inverno

17 fev 2018 00:00

Danny Silva competiu em Turim'2006 e Vancouver'2010. Arthur Hanse é repetente, após Sochi'2014. Entra em acção nas madrugadas de domingo, dia 18, e de quinta-feira, dia 22.

arthur-hanse-e-o-segundo-filho-da-regiao-nuns-jogos-olimpicos-de-inverno-8156
Jacinto Silva Duro

Não é Silva, Santos, muito menos Sousa. Arthur Hanse foge aos padrões habituais dos nomes dos luso-descendentes em França. No entanto, o rapaz de 25 anos faz questão de se dizer profundamente orgulhoso de representar a nação “de uma parte da família”.

Ele é um dos dois desportistas que representam Portugal nos Jogos Olímpicos de Inverno, competição que por estes dias têm lugar na cidade sul-coreana de PyeongChang. E é, também, o segundo descendente de leirienses a competir na versão mais fria do maior evento desportivo do planeta

“Tenho a nacionalidade portuguesa, vivo como um português fora do país, tenho amigos portugueses, gosto de Portugal, da cultura, do futebol, da comida, das bebidas... Sinto-me tão português quanto um português ou até mesmo mais”, garantiu ao jornal i antes da partida para a grande competição.

Nos últimos meses, o jovem natural de Paris vive dividido entre Portugal e França. Mais concretamente entre a estância de esqui de Les Gets, nos Alpes, Lisboa, onde trata dos assuntos burocráticos com o Comité Olímpico de Portugal, e Leiria, o porto seguro em território nacional, é lá que tem as origens familiares.

Arthur vai defender Portugal nos Jogos Olímpicos de Inverno pela segunda vez consecutiva, depois da primeira experiência em Socchi, na Rússia, há quatro anos, onde “estava muito tenso” e sentiu “muita pressão”. Não terminou as competições onde esteve envolvido, mas agora os objectivos são mais ambiciosos.

Com nove horas de diferença no fuso horário, vai entrar em acção às 1:15 horas da madrugada portuguesa de domingo, dia 18, no slalom gigante, e à mesma hora de quinta-feira, dia 22, no slalom. “Um top 30 é um sonho e um top 50 é a realidade. Mas nos Jogos Olímpicos tudo pode acontecer, o melhor e o pior. Então, estou a preparar-me mentalmente para dar o melhor de mim, e representar Portugal da melhor forma que as minhas capacidades permitirem”, frisou Arthur Hanse.


Danny Silva esteve nos Jogos de Inverno de 2006 e de 2010

 “Hoje tenho mais experiência, mais maturidade. Durante quatro anos trabalhei arduamente para estar preparado. Os Jogos Olímpicos são o sonho de todos os desportistas e representar um país com os valores olímpicos é muito importante para mim”, disse o esquiador, em declarações à agência Lusa.

Arthur sucede a Danny Silva, atleta nascido nos Estados Unidos que tinha origens familiares em São Martinho do Porto e que viveu na Marinha Grande, onde estudou no Externato Afonso Lopes Vieira. Em 2006, com 32 anos, esteve em Turim, sendo 94.º na prova de 15 quilómetros em esqui estilo livre.

Quatro anos depois, em Vancouver, foi 95.º e último classificado, despedindo-se dos grandes palcos e voltando para a Finlândia, onde trabalhava.

"Para mim acabou aqui! Tenho 36 anos, gastei o que pude e cheguei ao meu limite. Sou o único amador que se qualificou. Todos os outros estão inseridos em projectos ou têm patrocínios. Sem patrocínios e sem projectos desportivos financiados, tive de equilibrar a minha vida profissional com o treino, já que o meu salário foi a única forma de financiar este projecto.”