Economia

Agências de mediação imobiliária nascem como cogumelos

29 mar 2018 00:00

Num ano, distrito de Leiria ganhou 63 novas lojas

agencias-de-mediacao-imobiliaria-nascem-como-cogumelos-8426
Daniela Franco Sousa

O imobiliário voltou a estar em alta e, com a perspectiva de fazer bons negócios, Portugal assiste a um boom de agência imobiliárias. De acordo com os dados da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (Apemip), só no ano passado foram licenciadas 1385 novas mediadoras, mais 30% do que um ano antes.

Feitas as contas, são quase quatro imobiliárias que nascem por dia, realça a associação. No distrito de Leiria a realidade não é diferente e as novas agências têm proliferado como cogumelos.

De acordo com dados avançados ao JORNAL DE LEIRIA pela Apemip, só entre Janeiro e Dezembro de 2017, foram emitidas 63 licenças de mediação imobiliária no distrito de Leiria.

Quem arriscou com negócio por conta própria diz que as vendas de imóveis têm superado as expectativas e, por enquanto, o mercado ainda tem capacidade para absorver a grande quantidade de agências que têm nascido.

João Silva é responsável pelas três agências que, num espaço de um ano, abriram portas em Fátima, Ourém e Leiria sob a marca franchisada Lar de Sonho. De acordo com o mediador, a primeira das três lojas abriu em Fátima em 2016, seguiu-se a de Ourém, uma semana depois, e em meados de 2017 abria portas a Lar de Sonho de Leiria.

As vendas estão a correr bem nas três agências. Desde Janeiro, já se venderam dez casas em Fátima, 12 em Ourém e mais uma dezena em Leiria, nota o mediador. E, apesar de nascerem imobiliárias todos os dias, João Silva considera que, para já, o mercado ainda tem capacidade para absorver todas estas agências.

Ana Deus é sócia-gerente da agência 2%, uma loja franchisada que abriu em Leiria em Março do ano passado. Embora os primeiros meses sirvam sobretudo para compreender o mercado e angariar imóveis, Ana Deus conta que, logo no primeiro mês, a agência realizou uma transacção.

Conta também que, até ao final de 2017, vendeu 20 imóveis. E já este ano realizou mais cinco vendas. Ana Deus reconhece que as vendas correm bem e que o mercado, no presente, ainda dá trabalho a todas as agências.

Mas sublinha que é grande a concorrência e pouca a oferta de imóveis, pelo que só quem trabalhar com muita qualidade e profissionalismo terá capacidade para se diferenciar e manter activo.

EVENTOS