Viver

'Acaso': um teatro mais “intenso” e o alerta para problemas sociais

21 set 2017 00:00

Começa na quinta-feira, 28, e prolonga-se até 31 de Outubro. O 'Acaso' leva a palcos de vários municípios projectos que prometem intensidade, um teatro mais “duro”, num programa que não fecha a porta a outras artes.

acaso-um-teatro-mais-intenso-e-o-alerta-para-problemas-sociais-7170
Jacinto Silva Duro

Em 22 anos, muita coisa mudou. Hoje, há condições para fazer um festival de teatro com uma dimensão totalmente diferente do que era então. Mas, este ano, a mudança é mais “radical”.

Nesta 22.ª edição do Acaso Festival de Teatro, a organização optou por trabalhar com outro tipo de grupos e de projectos, afirma Pedro Oliveira, actor e encenador da companhia O Nariz, que organiza o evento.

Será “um teatro mais duro e em que o acto de representação do actor é mais intenso”. Os temas abordados serão os mais diversos. Sempre com um objectivo: mudar mentalidades. “Nem que seja a nossa. Se conseguirmos mudar a nossa também conseguimos mudar a de alguém. Nem que seja só mais um”, sublinha Pedro Oliveira.

Racismo, violência, migração ou censura – “que continua a existir” – são apenas alguns dos temas retratados nos diversos espectáculos proporcionados pelo Acaso, que mostram as “realidades contemporâneas”.

Além disso, o Acaso quer apresentar projectos que, de outra forma, o público não teria oportunidade de assistir na cidade. É essa a “espinha dorsal” do festival. E é por isso que se torna tão difícil destacar algum, considera Pedro Oliveira.

Ainda assim, O Cravo Espanhol, Cinderella, Cândida ou o Pessimismo, Leôncio & Lena, Estrangeiras e Pedro e o Capitão são, para o responsável, os destaques da programação, não só pelo que transmitem as peças – dada a intensidade dos textos e das representações – como também pelos actores que as interpretam.

Cucha Carvalheiro, Maria João Luís, Ângela Pinto, Sylvie Dias, Ivo Canelas e Pedro Gil são alguns dos principais nomes que marcam presença no Acaso.

Com texto de Romeu Correia e encenação de Maria João Luís, O Cravo Espanhol, pela companhia Teatro da Terra, sobe ao palco do Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, a 30 de Setembro. Ângela Pinto, Gonçalo Ferreira e Sylvie Dias levam a Cinderella ao Auditório Municipal da Batalha, um espectáculo dirigido a crianças a partir dos 3 anos. Cândida ou o Pessimismo é um monólogo, com texto e interpretação de Cucha Carvalheiro. Uma “comédia amarga” que se apresenta no Teatro Miguel Franco, em Leiria.

O Teatro Stephens, na Marinha Grande, recebe Leôncio & Lena, interpretado por André Nunes, Carlos Malvarez e Joana Ribeiro Santos e Estrangeiras, pelas actrizes Ângela Pinto e Sylvie Dias, a partir do texto Os Emigrantes, de Slawomir Mrozek.

No penúltimo dia do festival, Ivo Canelas e Pedro Gil interpretam Pedro e o Capitão, que tem como mote o texto de Mário Benedetti, escritor emblemático da literatura da América Latina.

Diversas dinâmicas

 

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO