Desporto

Quem ajuda o Bairro dos Anjos? Situação “é muito preocupante”

3 jul 2020 09:00

Direcção tem o naming do clube aberto a patrocinadores e explica que o encerramento das piscinas municipais ao público, por causa da Covid-19, representa um corte de 90 a 95 por cento nas receitas

quem-ajuda-o-bairro-dos-anjos-situacao-e-muito-preocupante
Só a competição já regressou à água
DR

A situação financeira do Bairro dos Anjos, que tem estatuto de utilidade pública, “é muito preocupante”, admite o vice-presidente Carlos Gonçalves.

As aulas de natação e hidroginástica nas piscinas municipais de Leiria movimentam 2.200 utentes por mês que são a principal fonte de receitas do clube. Mas a actividade está suspensa desde meados de Março, por força das restrições para todo o sector decididas pelo Governo no contexto da Covid-19.

De acordo com o dirigente, o impacto nas contas equivale a uma diminuição de “90 a 95 por cento” na parcela dos recebimentos, ou seja, dinheiro que deixa de entrar no Bairro dos Anjos, ao mesmo tempo que se mantêm elevadas as despesas do clube que resultam dos pagamentos à Segurança Social, salários (30% sobre 70% da remuneração, de acordo com o modelo de lay-off simplificado), seguros e fornecedores.

Entre treinadores e outros funcionários, o Bairro dos Anjos tem 17 colaboradores sob contrato e 36 em recibos verdes, com Carlos Gonçalves a reconhecer que pode ser necessário “começar a dispensar pessoas”.

“O clube neste momento está a viver de donativos de particulares e empresas” e de um número residual de utentes que “não estão a usufruir das piscinas” mas optaram por continuar a pagar a mensalidade como forma de ajudar, afirma ao JORNAL DE LEIRIA.

As escolas de natação e pentatlo moderno frequentadas até há três meses e meio por pessoas de todas as idades, dos bebés aos mais idosos, juntamente com o programa municipal Viver Activo, também parado por estes dias, são um suporte indispensável para o financiamento das modalidades de competição no Bairro dos Anjos, em que se incluem a natação pura, o pentatlo moderno, o laser run, a esgrima e o atletismo, alerta Carlos Gonçalves.

Servem também para fazer face a outros compromissos do clube, que recentemente, menos de dois anos, investiu em novas viaturas para transporte dos atletas e alunos.

Pelo Bairro dos Anjos, competem nomes como Eduardo Oliveira e Tiago Gonçalves (pentatlo moderno, atletas de alto rendimento e esperanças olímpicas), Filipe Gomes (nadador, certo nos próximos Jogos Olímpicos pelo Malawi), Vítor Clara e Nuno Silva (recentemente sagrados campeão e vice-campeão nacional, respectivamente, dos 5.000 metros livres na categoria de 16-17 anos) e jovens como Micael Denisov e Luana Domingues, entre outros com medalhas e recordes nacionais nos últimos meses.

Verbas insuficientes

Em resposta aos constrangimentos causados pela Covid-19, o Município de Leiria entregou mais cedo ao Bairro dos Anjos – e a outros emblemas do concelho – verbas contratualizadas para 2020 ao abrigo do regulamento Pro Leiria de apoio ao associativismo. E aprovou um subsídio adicional de aproximadamente 4 mil euros.

Valores importantes mas insuficientes para as necessidades do Bairro dos Anjos, que tem o naming do clube aberto a patrocinadores, mesmo depois de conseguir reduzir significati

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.