Sociedade

Seu Jorge: "Portugal sempre foi um País muito discreto"

22 ago 2019 00:00

Entrevista | A conhecida estrela brasileira do cinema e da música aqueceu, na semana passada, o coração das Festas da Batalha, numa noite húmida de Verão, e falou com o JORNAL DE LEIRIA sobre música, sobre o carinho que tem por Portugal e sobre... tricot

Jacinto Silva Duro

Seu Jorge, este é mais um regresso a Portugal e mais um acolhimento cheio de carinho?
Eu gosto muito daqui. Do País, do povo, da música, da cultura, da literatura e da maneira de vocês. Acho que é uma sorte muito grande ter esse parentesco no Mundo. Caramba! Se eu tivesse de procurar outro lugar onde a gente tivesse uma ligação tão forte quanto essa, talvez seja África... talvez África que tem também uma relação assim forte com o Brasil, por conta do povo. Mas Portugal é... nossa! É uma ligação muito forte. 

Sente que o Seu Jorge e a sua música são embaixadores do Brasil e da Lusofonia no Mundo? O seu nome é conhecido a nível mundial. 
Acredito que sim. Tenho o enorme privilégio de viajar pelo mundo, realizando esse sonho de cantar e de fazer espectáculos, mas o maior privilégio de todos é poder cantar na nossa língua, sabe? A maior parte do tempo, canto em português e vejo muita gente no Mundo absorvendo isso, mesmo não entendendo, muitas vezes, o que a gente está falando mas, percebendo através do sentimento universal e da frequência da música e da canção. A gente vê que ela provoca muita ternura e que existe um compromisso com tudo aquilo, com a música. Eu venho aqui, em Portugal, porque o povo, o público, é muito respeitoso, ele aceita muito, ele quer muito receber, sabe? Todas as vezes que eu estive aqui, fazendo concertos, recebi muito apoio do público. Há uma sensação de que nunca vai dar errado, sabe? Eu me sinto muito bem recebido na porta do seu País e me lembro que a primeira vez que eu vim aqui foi em 1998 e foi o primeiro país onde eu vim, quando saí do Brasil pela primeira vez. Logo depois dessa vinda cá, eu fui parar na Bahia e me lembro que, no sul da Bahia, num lugar bem especial chamado Cumuruxatiba, onde tem uma reserva indígena linda dos índios Pataxós, alguns deles me diziam que foi ali que Cabral chegou. Naquele trecho ali, entre Ilhéus e Cumuruxatiba... Então, eu fiquei fazendo essa relação: uma distância tão grande... aquele lugar, a gente e vocês ainda continuamos parecidos. Não perdemos as características. Não perde- mos a semelhança, não perdemos a irmandade. Em alguns lugares, você chega para tocar e você corre aquele risco. Mas aqui é sempre uma sensação forte. Mais forte, como essa, só na emigração. Eu sempre destaco isso. A emigração de Portugal sempre foi muito gentil comigo e com a minha banda, quando tocamos para eles. 

Essa irmandade de que fala, entre portugueses e brasileiros, poderia ser mais forte? 
Penso que sim. Mas Portugal sempre foi um País muito discreto, dentro da comunidade mundial e dentro da proposta geopolítica. Foi "o país" da geopolítica. Isso foi há muito tempo, mas hoje, Portugal está bem. Já recebeu 25 prémios de qualidade e, é possível, que este ano, pela terceira vez consecutiva, seja eleito como o destino da Europa. Tenho acompanha- do muito esse processo de vocês, desde 2008, quando começou a crise e a austeridade que foi muito forte. Foi mesmo... foi mesmo quase as mesmas coisas que nós, no Brasil, estamos atravessando. Os mesmos desafios, com algumas diferenças, é certo. O Brasil é um país enorme com 200 milhões de pessoas e uma fatia de 13 milhões de brasileiros desempregados. Portugal, com menor tamanho, conseguiu resolver isso. Mas também conseguiu porque as políticas foram efectivas e é isso que a gente está esperando agora no Brasil. Queremos acompanhar esse momento que o "irmão mais velho" conseguiu superar.

Perfil 
Estrela da música e do cinema 
Seu Jorge, nome artístico de Jorge Mário da Silva, nasceu a 8 de Junho de 1970, em Belford Roxo, Rio de Janeiro, no Brasil. É actor, cantor, compositor e multi-instrumentista de MPB, R&B, samba e soul. Começou a trabalhar com dez anos de idade numa borracharia, tendo sido contínuo, marceneiro e descascador de batatas num bar, antes de passar pelo Exército Brasileiro entre 1989-1990. Desde adolescente, frequentava as rodas cariocas de samba, acompanhando o pai e os irmãos em bailes funks, até se profissionalizar como músico. Mas a vida de Jorge foi plena de provações, chegando a ser sem-abrigo, até que foi convidado a participar no espectáculo A saga da farinha. Impressionou e acabou por entrar em mais de 20 outros espectáculos com a Companhia de Teatro TUERJ. O primeiro passo para ser conhecido como estrela do cinema internacional aconteceu com a personagem Mané Galinha, em A Cidade de Deus, o filme de Fernando Meirelles, premiado nos Óscares de 2004, mas foi como Pelé dos Santos, em The Life Aquatic, do realizador Wes Anderson que a sua popularidade explodiu. É o interprete de sucessos como É isso aí, Burguesia, Amiga da minha Mulher, Carolina ou Zé do Caroço – que diz ser uma das sua favoritas, por encarnar as dificuldades do povo brasileiro.

No mundo de hoje, um músico famoso, como Seu Jorge, pode dar-se ao luxo de ter uma opinião política e demonstrá-lo publicamente?
Sempre chove críticas, quando nós temos uma opinião sobre a política. A gente sempre... A gente vive numa sociedade e o fundamental é ser participativo. Me preocupo com o meu país e me preocupo, sobretudo, com o povo brasileiro, que dá o sangue todos os dias pelo Brasil, em troca de um salário muito, muito, muito baixo, trabalhando em condições muito ruins. Até posso entender que o mercado tenha um papel significativo no desenvolvimento de um país, da economia e tudo o mais, mas um país como o Brasil, com o tamanho, com a complexidade que tem, com a quantidade de pessoas que tem e com a crise que está instaurada, na conjuntura de hoje, eu acredito que a redução do Estado pode ser um ponto complicador, no que diz res- peito às políticas sociais e nos avanços conquistados nessas áreas e que podem, simplesmente, desaparecer. 

Perante aquilo que lhes pareceu uma ausência de alternativas, os brasileiros colocaram muita fé no presidente Bolsonaro… 
Quem votou nele, sim. Quem votou nele... Admito que, realmente, não tenho acompanhado a todos os níveis e todos os dias os eventos da Presidência, mas… É muito difícil fazer uma análise ou prospectiva de quando sairemos dessa situação. É necessária uma série de políticas, medidas, leis e, sobretudo, a gente precisa também de estruturar as instituições. Nos últimos tempos, elas têm sofrido muitos abalos sistemáticos e isso não pode acontecer, porque desestabiliza o Estado Democrático de Direito, que é uma conquista muito importante para todos nós. No meio da década de 80, em 1988, a gente conseguiu o feito de alcançar a democracia. Desde então, as gerações que nasceram no Brasil, conheceram um país que tem um Estado Democrático de Direito. Então, a maior preocupação agora é que não se desmantele o Brasil, que a gente não perca os avanços sociais que conquistámos e que a gente proteja a democracia. 

Protagonizou já este ano um filme sobre Carlos Marighella, realizado por Wagner Moura. Como foi a experiência de encarnar essa figura de resistência?
O Carlos Marighella era um poeta bahiano, comunista, engenheiro, deputado, guerrilheiro, que foi um homem extremamente importante na história do Brasil, na luta contra a ditadura militar que começou em 1964 e durou até 1985… 

Foi mesmo uma "ditadura"? Ao contrário do que muitos agora dizem no Brasil, não tem dúvidas sobre isso?
Foi mesmo uma ditadura! O Marighella combateu essa ditadura e a violência que acontecia. Ele acabou caindo em Novembro de 1969. Eu nasci alguns meses após a morte dele e cresci num Brasil mais ditador, mas tive o privilégio de ver isso mudar e a gente adquirir o direito de v

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO