Entrevista

Entrevista | Joaquim Cândido: "A urgência hospitalar tornou-se um monstro em todo o País"

4 abr 2019 00:00

O neurologista, natural de Leiria, considera que a luta A luta cooperativa de médicos e enfermeiros está a destruir o SNS.

Maria Anabela Silva

Cumpriu o serviço médico à periferia no hospital de Alcobaça. Que recordações guarda desse tempo?
Foi em 1976, no âmbito do serviço médico à periferia. Quando chegámos, os meios técnicos eram mínimos. Não havia sequer serviço de radiologia. Tínhamos um aparelho de raio-x encaixotado, mas não funcionava porque a potência eléctrica não era suficiente no hospital. Os doentes tinham que se deslocar a um consultório de radiologia. Foi uma experiência única e uma grande aprendizagem.

De Alcobaça, foi para Leiria.
Exacto. Estive lá em 1977/78, antes de ir fazer a especialidade de Neurologia para Coimbra. Comparando a realidade que encontrei no velho hospital de Leiria com o hospital de hoje, a mudança foi espantosa. Fazia sozinho, tal como os outros colegas, uma urgência de 24 horas todas as semanas, ao longo de dois anos. A minha primeira filha nasceu num desses dias. Fiz o parto, juntamente com a parteira porque não havia médico obstetra permanente. Mas, apesar das condições precárias, o velho hospital tinha bons profissionais. Aprendi muito com esses médicos, que tinham uma dedicação grande ao hospital. O administrador era o padre Pires. Hoje, um hospital é um centro tecnológico. O de Leiria desenvolveu-se tecnologicamente e tem capacidade para responder a grande parte das situações clínicas. Passou de uma situação básica, com uma urgência assegurada por um único médico, para uma situação incomparavelmente melhor, com equipas com vários especialistas.

Leia aqui a segunda parte desta entrevista

"A unidade de diálise da Benedita não abre por questões políticas"

Terá crescido de mais?
As notícias que nos chegam dão conta de um serviço de urgência num estado de quase ruptura. Mas o hospital de Leiria não é caso único. É semelhante ao que se passa no resto do País. Talvez nos hospitais distritais as dificuldades e as insuficiências do SNS se façam sentir mais. Os cuidados primários melhoraram bastante, mas ainda há muito a fazer. Um centro de saúde tem de ser, cada vez mais, o local com meios e prestígio, onde se deve resolver grande parte dos problemas dos doentes. Os hospitais devem ficar para as situações verdadeiramente urgentes. A urgência hospitalar tornou-se um monstro em todo o País. O que choca numa urgência é o excesso de doentes e a desumanização, com o abandono dos casos não urgentes, resultante, muitas vezes, da falta de organização do sistema. Não era ali que deviam estar. Temos hoje serviços de urgência que já não são deste s&ea

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.