Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Francisco J. Mafra Voltar

10:45 - 20 Setembro 2019
Vale a pena votar?

Vale a pena votar?

Quem “elege” de facto os candidatos a deputados são os secretáriosgerais/ presidentes dos partidos.

A pouco mais de 15 dias de eleições, vale a pena pensar no título que hoje escolho. Começo por dizer que sim, devemos votar porque se trata de escolher quem nos vai governar no próximo quadriénio. E devemos fazê-lo, mesmo que não concordemos com os candidatos ou com o processo eleitoral.

Votar é um dever de cidadania. Por isso, em alguns países, o voto é obrigatório. Não concordo com isso, porque é uma medida que afeta a nossa liberdade enquanto cidadãos em democracia.

Há uns anos, no Brasil, deparei-me com uma guia turística, aflita, porque tinha perdido o comprovativo de voto e não conseguia renovar a carta de condução.

Explicou-me que o voto não era obrigatório, mas quem não votasse não podia exigir nada do Estado.

Não sei se ainda é assim, mas achei que era um processo inteligente para, pelo menos, diminuir fortemente a taxa de não votantes.

Como tem vindo a acontecer nos últimos anos, a percentagem de pessoas que não votam em Portugal tem vindo a aumentar acentuadamente.

Alguns destes abstencionistas apontam as suas razões para não votar: não conhecem os candidatos a deputados, não se revêm nos partidos nem nos políticos, o sistema eleitoral que temos está viciado, etç, etc.

Mas atenção que a percentagem de não votantes engloba também pessoas mortas que, por isso, não podem votar.

A limpeza dos cadernos eleitorais, a cargo das autarquias, não é feita como devia ser. E vai continuar a sê-lo enquanto os municípios referirem a sua dimensão em eleitores e não em residentes.

Quanto ao desconhecimento dos candidatos, é um problema que se arrasta há décadas e sem solução.

Há muitos aspectos em causa, mas o principal podia  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador