Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Fernando Ribeiro Voltar

15:57 - 03 Outubro 2019
A tragédia das palavras

A tragédia das palavras

Em vez de nos preocuparmos com o que realmente querem dizer as palavras que escrevemos ou dizemos, preferimos matar qualquer espécie de debate ou consenso sobre seja o que for.

Nietzsche bem nos avisou. É verdade que na moeda corrente o pensamento do alemão deve valer bem menos em Portugal que o daquele rapper que delineou, sem hesitar e todo-poderoso, o que é isso do feminismo e de que cor é a pobreza.

Ou daquele escritor de auto-ajuda que junta palavras aos molhos e as atira para os livros, deixando as pessoas mais felizes. Nietzsche filósofo.

Era mais exactamente um filólogo, i.e., investigava as palavras, media a sua duração e viajava, através do seu significado, até ao âmago dos conceitos. Inevitavelmente, chegava sempre à Grécia Antiga, berço do abecedário filosófico.

Em vez de nos preocuparmos com o que realmente querem dizer as palavras que escrevemos ou dizemos, preferimos matar qualquer espécie de debate ou consenso sobre seja o que for.

Vivemos motivados por uma necessidade de ter razão, de nos justificar perante as críticas. Isto revela-nos tal e qual somos: insociáveis em redes sociais, intelectuais da mesa dos amigos.

A favor de todas as liberdades menos das dos outros, os tais que nos contrariam. Esta atitude é uma opção nossa. Não é uma consequência de um dado estímulo.

Agredimos porque nos sentimos vítimas de contextos que não existem; ofendemos, mas só porque as pessoas “merecem”, e assim vamos caminhando, alegres  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador