Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Alexandra Azambuja Voltar

10:02 - 26 Setembro 2019
As Papilas do Senhor Reitor

As Papilas do Senhor Reitor

Ora, entre estes dois regimes alternativos e aquilo que serão as ementas da Universidade de Coimbra, a diferença é abissal.

Cai o Carmo e a Trindade com a medida na Universidade de Coimbra que decide não utilizar carne de vaca nas cantinas da mais antiga universidade do País, a partir de 2020.

Das ementas de sete dias seguidos consegui ver, em 14 refeições (almoço e jantar), dois pratos com carne de vaca: Almôndegas (bovino, porco) e Vitela à Lafões, ou seja, apenas 14% das refeições.

Além disso, os estudantes continuam a comer diariamente, se assim o desejarem, carne: de peru, frango ou porco.

Esta pequena análise – que demorou cerca de cinco minutos de consulta na net - está ao alcance da maioria dos comentadores públicos que, no entanto, não se coibiram de vociferar contra a medida, com o argumento de que os pobres estudantes estavam a ser condenados a ser vegetarianos – quando não vegans – à força.

Ora, entre estes dois regimes alternativos e aquilo que serão as ementas da Universidade de Coimbra, a diferença é abissal.

Na verdade, a única coisa que mudará em 2020, se comparado com o que se passa actualmente nas 14 cantinas de Coimbra, são 14% das refeições cuja proteína não será de origem bovina.

A retirada da carne de vaca das ementas não belisca o livre consumo de bifes, bifinhos e quejandos; quem quiser continuará a fazê-lo em sua casa, onde quiser.

Mas não pela mão do Estado, na universidade, onde o exemplo da urgência com que se deve olhar para a crise climática pode e deve ser dado.

Face à pequena mudança, o alarido nacional de aijesuzes, absolutamente desproporcionado, mostra várias coisas e nenhuma delas é simpática. Que a medida é autoritária!

O que pensar então de outras medidas  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador