Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

João Carvalho dos Santos Voltar

15:32 - 01 Fevereiro 2019
A nova Rota da Seda: o poder do comércio

A nova Rota da Seda: o poder do comércio

Perto de 60 países já aderiram à iniciativa, mesmo tendo em conta as previsões do custo total dos projetos ascenderem a 900 mil milhões de dólares. Valor a ser pago pelos aderentes, principalmente a bancos chineses.

Na recente visita a Portugal do presidente da China Xi Jinping, muitas foram as notícias sobre um conjunto de projetos denominados The Belt and Silk Road podendo ser traduzido em português por “A Rota da Cintura e da Seda”.

Do que trata este conjunto de projetos A Rota da Cintura e da Seda?

Em traços gerais, A Rota da Cintura e da Seda visa estabelecer rotas comerciais que liguem a China, a Ásia Central, a Europa e a África através de infraestrutura rodoviárias, ferroviárias e marítimas. Importa referir que este espaço geográfico representa 60 países, mais de 60% da população mundial e perto de 40% da riqueza mundial.

Perto de 60 países já aderiram à iniciativa, mesmo tendo em conta as previsões do custo total dos projetos ascenderem a 900 mil milhões de dólares. Valor a ser pago pelos aderentes, principalmente a bancos chineses.

No entanto o Asian Development Bank, o Asian Infrastructure Investment Bank, Banco Europeu de Investimento, New Development Bank, e Banco Mundial também já se comprometeram a financiar os projetos.

Estes projetos são tentadores, tanto para os países subdesenvolvidos, sem infraestruturas e sem dinheiro para as construir, como para os  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador
14 Fevereiro 2019