Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Paulo Costa Voltar

15:44 - 02 Agosto 2018
A natureza do amor

A natureza do amor

Atrevo-me a escrever sobre a arte de amar.

Ou sobre o acto universal de cultivar sentimentos pelos outros com quem nos relacionamos e mais estimamos, movimento livre que tem subjacente um mecanismo biológico determinado pelo sistema límbico (SL), unidade cerebral que é o centro das emoções.

O SL integra as estruturas cerebrais relacionadas com comportamentos emocionais e sexuais, memória, aprendizagem, motivação, e também com as respostas homeostáticas de autoregulação e equilíbrio.

A sua função será a integração de informações sensoriais com o estado psíquico interno, onde é atribuído um conteúdo afectivo a correlacionar com as memórias préexistentes. E isso conduz à produção de uma resposta emocional (in)adequada, (in)consciente e/ou vegetativa em função de uma multiplicidade de variáveis.

Lucrécio, poeta e filósofo romano do século I a.c., nada sabia sobre o SL quando ousou escrever um longo poema intitulado Da natureza das coisas. Entre as inúmeras referências àquilo que hoje denominamos de mente e conduta, registamos nessa obra magníficas passagens que aludem ao estado das pessoas quando se apaixonam, o que comprova que este é um domínio transversal a todas as épocas, civilizações e culturas.

Mas também um afecto de domínio incontrolável, rebatendo os sentidos e contaminando a racionalidade, em função do deslumbramento que a ele se associa. De entre outras noções basilares, é atribuída a Lucrécio a ideia de que “a natureza está em nós mais do que a consciência sobre nós mesmos”, o que pressupõe que a vida individual e a forma como ela se vai edificando por via de conexões imponderáveis ou acasos é complexa, orgânica e instintiva.

Mesmo que o domínio da consciência seja um recurso superior do ser humano, o enamoramento – bondade, prazer, satisfação, paixão, ciúme, desgosto, trauma, dependência, apenas para referir alguns, relevam a necessidade de 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador