Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Paulo Costa Voltar

14:32 - 11 Outubro 2018
Haverá controlo no (in)controlável?

Haverá controlo no (in)controlável?

A determinação de uma dificuldade não pode ser explicada, apenas, por um efeito contido numa causa anterior ou consequência posterior.

Atensão ou activação, em particular a inflamação dos impulsos emocionais, podem estar associadas a uma multiplicidade de variáveis ou factores precipitantes, tais como pensamentos, condições externas e traumáticas vividas, observadas ou pressentidas, podendo inclusivamente ser incitadas pela acção ou conduta do próprio e dos outros, sobretudo, se de algum modo interferem com a garantia do estado de protecção, equilíbrio e sobrevivência.

Esse largo espectro de ignição dos sentimentos poderá ser proveniente não apenas de eventos ou condições singulares, mas também de circunstâncias que se repetem sistematicamente na vida do ser humano, num período contínuo e repetido.

Há, porém, um equívoco nesta condição que nem sempre é subordinada a um sentido de causalidade linear, pressupondo o controlo como componente primordial da existência, mecanismo passível de ser (re)aprendido e não governado pelas garras do destino.

É por esta razão que a percepção de controlo é uma variável psicológica complexa e estimulante. A determinação de uma dificuldade não pode ser explicada, apenas, por um efeito contido numa causa anterior ou consequência posterior.

Pelo contrário, cada indivíduo pode divergir nesse processo de vigilância e auto-domínio, modificandose e progredindo, ou extinguindo-se e anulando-se, por intermédio da interacção com os diversos agentes de aprendizagem e socialização que coexistem no seu reportório de experiências e ciclo evolutivo.

Há uma constante deriva assente na transformação da realidade que é aleatória no percurso de cada sujeito, ainda que no centro de controlo do corpo – o cérebro -, sejam preservadas as mutações que melhor adaptam o organismo ao mundo, em ecossistemas que se encontram em permanente renovação.

Talvez por isso, Franz Kafka tenha assentido que “não aspiro ao auto-controlo, pois esse significa querer actuar num ponto aleatório das 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador