Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

João Bonifácio Serra Voltar

17:37 - 04 Julho 2019
Escutar a cidade

Escutar a cidade

“Caminhar não é apenas olhar, é também escutar, em cada lugar, quem habita e quem conhece a cidade”.

Encontrei a expressão em dois livros lidos recentemente, ambos de arquitectos. O argumento do italiano Francesco Careri, na obra intitulada Caminhar e Parar (ed. Gustavo Gili, Barcelona e S. Paulo, 2017) é o de que o conhecimento da cidade não pode ser obtido exclusivamente a partir dos recursos estáticos (cartas, fotografias).

A observação que se desenvolve através da itinerância, da deambulação pelos meandros do urbano é indispensável.

Escutar é condição necessária para transformar a cidade, advoga o colectivo Paisagem Tranversal em Escutar e Transformar a Cidade. Urbanismo Colaborativo e Participação Cidadã (Fundação Arquia, Madrid, 2018).

Este grupo constituído em 2007 por cinco arquitectos urbanistas tem no seu curriculum intervenções em espaços públicos de diferentes cidades, mas quais operou com metodologias de participação.

Não basta olhar a cidade, é preciso dialogar com as pessoas (promovendo o inquérito, a entrevista, a reunião, a formação de equipas que acompanhem o desenho da intervenção).

Careri alude ao método de Patrick Geddes, o pioneiro do planeamento regional, que nas primeiras décadas do século XX defendeu que a prospectiva devia assentar na identificação prévia dos recursos com que, em cada território, as sociedades contaram ao longo da história.

Os filósofos gregos peripatéticos faziam do caminhar a ocasião para a reflexão partilhada com os seus discípulos. Geddes usava esse método, estabelecendo contacto com os habitantes dos lugares, os seus interlocutores no processo de caracterização do território.

“Caminhar não é apenas olhar, é também escutar, em cada lugar, quem habita e quem conhece a cidade”.

Escutar ganha assim um sentido específico: ouvir, falar com, dialogar com aqueles que vivem e usam a cidade. Mas a audição da cidade não se pode  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador