Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

José Amado da Silva Voltar

12:51 - 03 Outubro 2019
Eça e as eleições

Eça e as eleições

Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos.Já não se crê na honestidade dos homens públicos.

Meu Caro Zé, “Aproxima-te um pouco de nós, e vê? O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os carateres corrompidos.

A prática da vida tem por uma única direção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos.Já não se crê na honestidade dos homens públicos.

A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria.

Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso.”

Calma, Zé! Isto não são palavras minhas, mas de Eça de Queiroz há quase 150 anos, em Uma Campanha Alegre. E pelo que vejo, ouço, e leio, tive receio que pensasses que eu estava a descrever o que se passa hoje em Portugal, achando que eu estava a exagerar.

Concordo! É óbvio que é exagero e nem tudo é assim. Mas, já agora, deixa-me respigar só duas frases: “A prática da vida tem por única direção a conveniência” e “Já não se crê na honestidade dos homens públicos”.

Porquê? Porque elas permitem uma reflexão séria sobre o votar em Portugal hoje, em que, para o comum das pessoas, a “política” (porque não há política sem aspas) está desacreditada. E não pode estar! E, para isso, o primeiro passo está em alterar a prática da vida, isto é, não viver nem estar por conveniência!

É que “estar por conveniência” dá razão a Eça de Queiroz quando refere falta de solidariedade, princípios abalados, falta de consciência moral.

E pergunto-te a ti, a mim, e a todos: se cada um de nós vota por conveniência, que legitimidade, que autoridade moral temos para exigir honestidade e sentido de serviço aos nossos políticos? Não são eles uma emanação da sociedade  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador