Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Clara Leão Voltar

10:51 - 04 Julho 2019
A autodeterminação

A autodeterminação

É uma adolescente infeliz, algo desinteressada e calada, não pelas razões que lhe assistem nessa complicada fase da vida, mas porque os pais escolheram por ela o caminho a seguir.

Primeiro um, depois outro, logo a seguir um terceiro assunto, provocam-me pensamentos que os tentam formalizar, delimitar e inscrever nessa ordem maior das coisas em que se organiza a vida.

Procuro escolher o que me importe mais, ou me pareça mais importante, mas nenhum se destaca, nenhum toma a dianteira. E as imagens, sem as quais não é possível pensar, cruzam-se, andam a par, completam-se, e aos poucos percebo como tudo afinal pertence ao mesmo.

É uma adolescente infeliz, algo desinteressada e calada, não pelas razões que lhe assistem nessa complicada fase da vida, mas porque os pais escolheram por ela o caminho a seguir.

Querendo para ela o que, para eles, é o melhor que a vida tem para dar, acreditam estarem mais aptos para lhe escolher o futuro bem posto que desejam e decidiram, sem apelo nem agravo, que curso irá tirar.

De nada serviram as explicações, as tentativas de afirmação, depois o silêncio e a tristeza. Diz-me ela, que eles lhe dizem, que não lha entendem. São três pequenos grupos de mulheres, e dois homens, entre os 62 e os 83 anos que, nuns arredores mais ou menos próximos, e nuns outros bastante mais afastados da cidade, dançam.

Nada de valsas ou passos doble, nada de rancho ou de bailarico; eles dançam uma dança que muitos chamam “maluca” e que outros, apanhados de surpresa, olham com espanto e admiração; como quando o fizeram num terraço a céu aberto, no pátio de uma escola, ou num palco da cidade, para que todos saibam como é livre e bom dançar assim. Dizem que os faz descobrirem-se outros.

Diferentes, e capazes de ser diferentes, porque essa dança os liberta das leis do supostamente adequado, para finalmente os deixar sentir,  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador