Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Paulo Costa Voltar

11:31 - 16 Novembro 2018
A arte da comoção

A arte da comoção

Há na arte um eco que emerge no labor do desconhecido.

A consciência é a capacidade que qualquer indivíduo tem de contemplar tudo o que atravessa o seu íntimo, presenciando ao movimento da própria existência, no acto liberto que é consentido à reverberação de ser espectador de si mesmo.

Há na arte um eco que emerge no labor do desconhecido. O artífice das expressões (literatura, pintura, teatro, música, dança, cinema, fotografia, entre outras dinâmicas da criação que integram o ecletismo e a dimensão sincrética), prossegue na sua voracidade imaginativa de forma incessante.

E o artista emerge no seu âmago por intermédio das dúvidas, angústias, exaltações ou desilusões, actuando com recurso à invenção e à (re)descoberta, o que determina a autoavaliação e os múltiplos retoques que acompanham o seu adorno livre, até alcançar algo que pode designar-se de libertação criativa, convocando-se a si mesmo para uma emoção estética mais do que original.

A arte tem uma função implícita: desde os primórdios da humanidade destina-se a comunicar algo indizível, pertencente às várias formas da percepção sensível e que gradualmente se articulam com um estado de espiritualidade ou de (re)elaboração do próprio (e posteriormente dos outros), essa entidade abstracta chamada observador, público, leitor, espectador.

O poeta Ezra Pound lega-nos o aforismo de que “a função da arte é nutrir de impulsos”, uma dimensão enlevada que contém sempre uma zona de mistério, para além de qualquer argumentação discursiva.

O contacto com a vastidão artística será sempre uma existência que se vivencia de forma peculiar, dotada de uma autonomia exclusiva que não deve ser confundida com um limbo místico situado fora do mundo.

Esta entidade expressiva, por ignorada que possa ser, passou à categoria de facto e movimento interior, transformando o pensamento, evocando os sentidos e as dimensões reflexivas, o que nem sempre o acto concreto e factual viabiliza.

Uma vez tendo ocorrido, mesmo nas artes circunscritas  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador