Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Quando a dor física alivia a dor psicológica
Foto: GCCI - ESSLEI

Sociedade

19 Março 2017

Quando a dor física alivia a dor psicológica

Comportamentos auto-lesivos em debate na Escola Superior de Saúde de Leiria.

Um recente estudo da Universidade de Coimbra (UC) revela que 20% dos adolescentes já se envolveram em comportamentos auto-lesivos, pelo menos uma vez na vida. O estudo é do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da UC.

Na Escola Superior de Saúde do IPLeiria, durante o 2.º Congresso Internacional de Estudantes de Enfermagem, que decorreu nos dias 10 e 11 de Março, os comportamentos auto-lesivos e actos suicidas na adolescência foi um dos temas que esteve em cima da mesa.

José Carlos Santos, professor e enfermeiro Especialista em Saúde Mental e Psiquiatria, foi o orador que abordou esta temática, tendo apresentado, também, estudos realizados em anos anteriores, que evidenciaram que a maioria destes jovens não tem contacto com profissionais de saúde mental - "só 10 a 20% de adolescentes que se auto-lesaram foram ao hospital".

A maioria, pede ajuda somente depois de já ter praticado o acto auto-lesivo. Na investigação da UC, os resultados evidenciam que "as raparigas reportam mais comportamentos auto-lesivos que os rapazes", situando-se a faixa etária mais vulnerável em jovens entre os 15 e os 16 anos.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Ana Camponês
Redacção Ana Camponês redaccao@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador